Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 9 de abril de 2019 - 10:01


Qual é a sua afronta?

Muitas pessoas estão sendo afrontadas por doenças, vícios, traições, dívidas, desemprego e tantos outros problemas. Quem é o seu “Senaqueribe”?

Acontecimentos difíceis são inevitáveis. Todos os dias, em algum lugar do mundo, uma pessoa recebe uma notícia que pode mudar o curso de sua vida.

No Brasil, de acordo com um levantamento feito pela Agência Internacional para Estudo do Câncer, aproximadamente 18 milhões de pessoas receberam o diagnóstico de câncer em 2018. Essa informação impacta tanto a vida do diagnosticado quanto a de quem o cerca. Além desse diagnóstico, milhões de pessoas também receberam exames que constataram diversas outras doenças tão devastadoras quanto o câncer.

No âmbito profissional, mais de 12 milhões de brasileiros receberam a notícia da perda de seus empregos e encontram-se hoje sem uma fonte de renda, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). E não é só isso. Ainda no que tange ao mundo corporativo, diariamente, empresários percebem que seus negócios vão de mal a pior e que, se não melhorarem, terão de encerrar as atividades de suas empresas que levaram anos para construir.

Como se não bastasse, a família também segue sendo alvo de notícias ruins. Diariamente, os noticiários no Brasil e ao redor do mundo são inundados por casos de pais que assassinaram filhos e filhos que tiraram a vida dos pais. É uma tragédia atrás da outra.

Sem contar os inúmeros casos de traições que chegam ao conhecimento de milhões de pessoas todos os dias. Famílias também têm sido destruídas pelos vícios e pela criminalidade.

A cada dia que passa, o número de pessoas com depressão também aumenta. Suas famílias e amigos, muitas vezes, também já não sabem mais a quem recorrer para ajudar a curar a dor da alma de quem tanto amam.

Essas situações acima citadas têm algo em comum: todas são afrontas para quem as vivencia. O cenário de medo e insegurança, naturalmente, toma conta do ser humano e ele fica muito mais suscetível a tentar resolver seus problemas com a força de seu próprio braço ou, na pior das hipóteses, desistir e “jogar a toalha”. Por isso, tantos casos de pessoas que desistiram de lutar pela sua saúde, de tentar conquistar uma colocação no mercado de trabalho ou de reestruturar sua família. Como é possível vencer essas afrontas?

Exemplo de fé
A Bíblia registra a história de um rei da Assíria, chamado Senaqueribe, que posicionou-se diante de Jerusalém para atacá-la.

O rei de Judá, Ezequias, soube do que estava acontecendo e logo se preparou para o confronto. Ele tapou as fontes de água de Jerusalém para que o exército inimigo não usasse esse recurso e o muro de proteção
foi restaurado.

Então, Senaqueribe enviou uma carta de afronta contra Deus e Ezequias, dizendo: “…Porventura puderam de qualquer maneira os deuses das nações daquelas terras livrar o seu país da minha mão? Qual é, de todos os deuses daquelas nações que meus pais destruíram, o que pôde livrar o seu povo da minha mão, para que vosso Deus vos possa livrar da minha mão?” (2 Crônicas 32.13-14).

Em outras palavras, ele estava se gabando de que nenhuma cidade o havia vencido e que Deus não poderia livrá-los. Entretanto Ezequias apresentou aquela carta de afronta para o Altíssimo, para que Ele revelasse o Seu poder para os insultadores.

“Senaqueribe havia vencido muitas ‘nações’. Foram 46 cidades do reino de Israel (o Reino do Norte). Ele cercou Jerusalém, mas não pôde entrar porque o rei Ezequias, que conhecia a Deus, simplesmente pegou a carta de afronta e entrou no Templo, construído por Salomão. E falou: ‘Olha, Deus, a carta do nosso inimigo’”, explicou o Bispo Edir Macedo, durante o programa Palavra Amiga, transmitido no dia 29 de março.

Usando a fé
Ezequias recebeu a carta do rei Senaqueribe e não se conformou com o que leu. Aquelas palavras afrontavam a sua fé e também ao Deus Vivo a quem ele servia. Então, indignado, manifestou uma reação: falar com Deus, com a certeza de que Ele daria fim àquela afronta.

A revolta de fé de Ezequias provocou uma resposta de Deus: os 185 mil soldados enviados por Senaqueribe morreram logo em seguida e, então, o rei, vendo o poder de Deus se manifestar, desistiu de atacar Jerusalém.

A resposta veio: “Assim livrou o Senhor a Ezequias, e aos moradores de Jerusalém, da mão de Senaqueribe, rei da Assíria, e da mão de todos; e de todos os lados os guiou.” (2 Crônicas 32.22).


  • Rafaela Dias e Daniel Cruz / Foto: Fotolia  


reportar erro