Rede aleluia
Quais cuidados a Universal tem tomado na pandemia?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 30 de Abril de 2021 - 21:40


Quais cuidados a Universal tem tomado na pandemia?

Todos os templos foram equipados e adaptados para receber os fiéis com segurança

Quais cuidados a Universal tem tomado na pandemia?

Há cerca de um ano, o mundo foi surpreendido com o surgimento da pandemia de Covid-19. A situação trouxe inúmeros questionamentos sobre a doença e quanto às melhores formas de prevenção e tratamento, mas poucas respostas. Nesse contexto, decretos municipais e estaduais fecharam as Igrejas e templos chegaram a ser proibidos de realizar celebrações.

Atualmente, as atividades religiosas são consideradas essenciais pelo governo federal e também por parte dos Estados brasileiros. Contudo, apesar de saber da importância da fé nesse momento de crise humanitária, a população viu governantes determinarem mais uma vez o fechamento das igrejas, como aconteceu no Estado de São Paulo. “A celebração e cultos, as liturgias e os rituais de qualquer instituição religiosa são garantidos pela Constituição. Ainda que existam limitações por causa da pandemia, as celebrações religiosas nunca deveriam ter sido proibidas”, afirma o Bispo Eduardo Bravo, responsável pela União Nacional das Igrejas e Pastores Evangélicos (Unigrejas).

Importância das igrejas
Muito além da doença física, a pandemia trouxe um cenário de desesperança. O número de casos, de mortes e a crise financeira geraram impactos também na saúde mental das pessoas. Só no Brasil, segundo uma pesquisa realizada pelo Instituto Ipsos, encomendada pelo Fórum Econômico Mundial e divulgada pela BBC News Brasil, cerca de 53% dos brasileiros afirmam que sofreram uma piora em seu bem-estar mental no último ano.

Essa situação na prática significa o aumento de pessoas com sintomas de tristeza, ansiedade e depressão. Esses problemas nem sempre são solucionados só com medicamentos e podem ser aliviados por meio da fé. “A Igreja funciona como um hospital espiritual. As pessoas angustiadas, deprimidas, tristes e abatidas e que têm qualquer tipo de problema encontram na Igreja um refúgio. Por isso, as igrejas devem permanecer abertas e com a realização de cultos. A pessoa vai receber uma Palavra de motivação, vai receber a oração da fé e sair dali renovada e fortalecida espiritualmente”, diz o Bispo Eduardo Bravo.

Vale ressaltar ainda a importância do trabalho social e humanitário que a Igreja Universal faz para os que mais precisam e que alcança pessoas que muitas vezes são negligenciadas pelo Poder Público.

Iniciativas da Universal
A Universal entende a importância da prevenção à Covid-19 e tem seguido todas as normas determinadas pelos órgãos da saúde, tanto federais quanto os estaduais e municipais. Todos os templos foram devidamente equipados e adaptados para receber os fiéis com segurança. “Um dos locais mais seguros para a pessoa é dentro da Igreja. Logo que ela chega, é feita a medição da temperatura corporal, o álcool em gel é disponibilizado, é verificado e solicitado o uso obrigatório da máscara e respeitado o distanciamento social. A pessoa fica num local higienizado e pode participar da cerimônia com segurança”, finaliza o Bispo Eduardo Bravo.


Quais cuidados a Universal tem tomado na pandemia?
  • Cinthia Cardoso / Foto: Getty Images / Arte: Edi Edson  


reportar erro