Rede aleluia
Proibidos de receber visitas, presos estão há 7 meses sem contato com parentes
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 6 de outubro de 2020 - 16:35


Proibidos de receber visitas, presos estão há 7 meses sem contato com parentes

Universal nos Presídios já ajudou mais de 100 mil famílias de detentos com doações e apoio. Domingo (11), 85 mil brinquedos também serão entregues.

Proibidos de receber visitas, presos estão há 7 meses sem contato com parentes

A pandemia da COVID-19 trouxe um impacto ainda mais perverso para os presos no Brasil: a proibição das visitas e do apoio oferecido por familiares, o que tem ocasionado apreensão nos parentes dos detentos.

Para amparar essas pessoas, que em muitos casos estão há até sete meses sem notícias e impossibilitadas de ajudar o ente querido que está encarcerado, o programa social Universal nos Presídios (UNP) realizará neste domingo (11) mais um “Dia da Visitação”, levando apoio a 15 mil famílias de detentos, em todo o país.

Universal nos Presídios

Pesquisa da Fundação Getúlio Vargas (FGV), divulgada em 29/9, apontou que 34% das famílias das pessoas presas em São Paulo enfrentam dificuldades para se alimentar, enquanto 69% afirmaram estar sem qualquer informação ou contato com o parente preso desde o início da epidemia da COVID-19. Dados do Departamento Penitenciário Nacional (Depen) indicam que a população carcerária brasileira é de cerca de 773 mil pessoas — a 3ª maior do mundo.

Atualmente, alguns estabelecimentos prisionais permitem visitas controladas e chamadas virtuais.

Além da ausência de contato, sem as visitas, os presos também estão impossibilitados de receber o “jumbo” — nome que os encarcerados dão ao pacote com os produtos de higiene e alimentos enviado pelas famílias.

Sem notícias, sem comida

De acordo com Clodoaldo Rocha, responsável pela UNP, “as ações neste momento de pandemia foram intensificadas para minimizar os impactos negativos a essas pessoas”.

“Temos um cadastro, onde nós conseguimos acompanhar e dar um suporte com cesta básica, produtos de higienização, kits básicos para envio aos presídios. Uma vez por mês, no ‘Dia da Visitação’ nossos voluntários conversam com essas pessoas para dar um novo ânimo a elas”, explica Clodoaldo. Na ação deste domingo (11), véspera do Dia das Crianças, 85 mil brinquedos também serão doados.

O “Dia da Visitação” já beneficou mais de 100 mil famílias.

“Desde março estou impedida de visitar meu marido. A UNP  tem vindo em minha casa e tem sido maravilhoso. Eles me motivam e ajudam a suprir minhas necessidades com as doações de alimento e de materiais de higiene. É um trabalho muito importante que é feito, de acompanhar os familiares dos presos”, avalia a Rosa (nome fictício), auxiliar de cozinha de 34 anos, casada com um detento do presídio de Hortolândia (SP).

A UNP é um programa social mantido pela Igreja Universal do Reino de Deus, e que visa a ressocialização dos detentos e o amparo dos familiares dos encarcerados. Apenas em 2019, as ações da UNP beneficiaram 1,7 milhão pessoas.

Universal nos Presídios


Proibidos de receber visitas, presos estão há 7 meses sem contato com parentes
  • UNIcom-Foto Divulgação 


reportar erro