Rede aleluia
Proibição da Bíblia em bibliotecas e escolas reforça perseguição milenar
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 21 de Novembro de 2021 - 00:05


Proibição da Bíblia em bibliotecas e escolas reforça perseguição milenar

Proibição da Bíblia em bibliotecas e escolas reforça perseguição milenar

Recentemente, uma decisão polêmica chamou a atenção de especialistas. O Supremo Tribunal Federal (STF) declarou inconstitucional uma lei aprovada em Mato Grosso do Sul que determinava que as escolas públicas e as bibliotecas do Estado tivessem, ao menos, um exemplar da Bíblia.

“A decisão é equivocada. Se existe uma liberdade religiosa e o Estado é laico, uma coisa não se confunde com a outra”, afirmou o advogado Alfredo Scaff Filho ao portal R7. De acordo com ele, “isso é um absurdo!”

Para o filósofo Pedro Henrique Alves, essa decisão não faz sentido em nenhuma instância. O especialista lembra a presença de obras questionáveis nesses locais, como o livro didático Araribá mais Geografia, direcionado a alunos do sétimo ano do ensino fundamental, que explica as origens do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MST). “Como pode a democracia ser vilipendiada por um livro que fundamenta historicamente a civilização ocidental e dá os insumos filosóficos básicos que alicerçam a ética moderna, conjunto esse que possibilitou a democracia moderna? Como pode ser mais importante a biblioteca de uma escola ter O Manual do Guerrilheiro, livros do MST, como Araribá mais Geografia, ou Crepúsculo do que a literatura que gestou a narrativa mais refletida e adotada na história da escrita humana?”, questiona o filósofo.

Esse questionamento é facilmente respondido quando entendemos que essa é uma perseguição antiga e analisamos a trajetória da Bíblia ao longo dos anos. Desde sua criação, diversos líderes – políticos e religiosos – fizeram de tudo para destruí-la. Na Idade Média, pessoas que tinham uma Bíblia eram tachadas de traidoras e sofriam duras condenações. Entre todos os livros produzidos na Antiguidade desde a criação da escrita, nenhum foi tão perseguido e queimado quanto a Bíblia. Mas, apesar disso, continuou existindo e hoje é considerado o maior best-seller (ou seja, o maior sucesso de vendas) de todos os tempos. Com 3,9 bilhões de cópias já impressas, a Bíblia é a obra mais lida do mundo e, segundo a Sociedade Bíblica do Brasil (SBB), já foi traduzida para, aproximadamente, três mil idiomas.

Não há como negar que as Escrituras não só tenham influenciado as leis e os idiomas de alguns países, como também a vida de milhões de pessoas. “Como falar de ética e moral sem conhecer os conceitos cristãos bíblicos, que fundamentam até hoje as nossas percepções nesses campos? A Bíblia é mais do que um devocional individual, ela é também o arrimo psicológico, histórico e filosófico de nossa civilização, o código que desvenda os meandros de nossa consciência – e, se isso tudo não for suficiente para mantê-la numa biblioteca escolar pública, realmente não sei o que seria”, acrescenta o filósofo Pedro Henrique Alves.

Assim, a permanência da Bíblia nas bibliotecas é mais do que uma questão religiosa, é o fundamento social e humano de nossa cultura. “E esses são os esteios da nossa civilização. Absurdo, na minha opinião, seria não a ter nas estantes de um acervo público. Estão confundindo laicidade com militância. Laicidade não é a exclusão de uma plataforma religiosa em nome de igualdade, é justamente o contrário. Isto é, o ato de o Estado possibilitar o acesso, ou ao menos não atrapalhar, a todas as matrizes religiosas que sejam relevantes ao público e o conhecimento desenvolvido.

Não ter Bíblia nas bibliotecas públicas é um ato de militância e definitivamente não se trata de ‘democracia’ ou ‘princípio da laicidade'”, conclui o especialista.

Ana Carolina Cury é jornalista


Proibição da Bíblia em bibliotecas e escolas reforça perseguição milenar
  • Redação / Foto: Getty images 


reportar erro