Rede aleluia
Professor leva pedrada em carnaval e sofre traumatismo craniano
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 27 de fevereiro de 2019 - 14:10


Professor leva pedrada em carnaval e sofre traumatismo craniano

Aos 24 anos, ele luta por sua vida na UTI

Professor leva pedrada em carnaval e sofre traumatismo craniano

O professor Tiago Oliveira está internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) após ser atingido por uma pedra enquanto participava de um desfile de bloco de carnaval, em São Paulo.

De acordo com seu amigo Gustavo Mendonça, os dois e outros colegas se divertiam no desfile de carnaval, quando um objeto – provavelmente uma pedra – atingiu a cabeça de Tiago. O rapaz sofreu traumatismo craniano, passou por cirurgia e segue lutando por sua vida.

O professor tem apenas 24 anos de idade, dá aulas e estuda para concluir seu mestrado. Todos esses planos agora estão suspensos.

Carnaval assassino

Durante o programa “Inteligência e Fé”, o Bispo Renato Cardoso falou sobre os excessos que muitos cometem durante o carnaval e por que essa festa é tão perigosa:

“As pessoas pensam que só porque o carnaval supostamente é festa da alegria, da folia, que só porque as pessoas querem sair para curtir, todo mundo está lá para curtir também. Não! Tem gente que está lá para roubar, para estuprar, para vender drogas. Tem gente que está lá para aliciar a sua filha, aliciar a sua mulher, o seu marido. Tem gente que está lá para tudo o que não presta.”

Uma das pessoas que está no carnaval para fazer o mal comprometeu, seriamente, a vida de um jovem professor. E outras inúmeras estão prontas para prejudicar a vida de qualquer um que atravesse seu caminho, seja roubando, agredindo, assediando, estuprando e tudo o mais que o mal lhes indicar.

“Muitas vezes acontecem acidentes que não eram para acontecer. Mas, porque as pessoas estão doidas por aí, tudo isso acontece nesse período”, relatou o Bispo Renato. “Portanto é sábio nesses dias você vigiar mais, orar mais, cuidar por onde você anda”.

Infelizmente, muitas pessoas lucram com o carnaval, independentemente de quantas desgraças ocorram neste período. Por isso, tragédias como essa são tão pouco divulgadas. Poucos se lembram que neste mesmo bloco de carnaval, chamado Acadêmicos do Baixo Augusta, uma pessoa morreu eletrocutada em 2018. Este ano o bloco reuniu mais de um milhão de foliões no dia 24, quando Tiago foi atingido.

Clique aqui e leia as verdades sobre o carnaval que os promotores desses eventos escondem de você.

Busque a proteção divina

Nesta quinta-feira, dia 28, começará o jejum do Espírito Santo. Serão sete dias de santificação em que, além do jejum de alimentos, todos os que almejam estreitar seu relacionamento com Deus irão se dedicar mais às atividades espirituais como a leitura e meditação na Palavra de Deus e orações.  E participar da Vigília do Primeiro Amor será crucial nesse processo. Clique aqui e saiba mais detalhes sobre esse evento especial. 


Professor leva pedrada em carnaval e sofre traumatismo craniano
  • Andre Batista / Imagem: Reprodução Record TV 


reportar erro