Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 5 de novembro de 2017 - 02:05


Por que os pais não devem gritar com os filhos

Saiba mais sobre esse comportamento e como evitá-lo

Há muitos pais que já afirmaram ter gritado com os filhos. A falta de paciência, cansaço após um dia de trabalho, entre outros motivos, têm sido algumas das justificativas que a grande maioria usa para a atitude. Definitivamente, o fato é que essa não é uma boa maneira de corrigir os filhos, seja em qual idade for.

“Nem sempre os gritos fazem bem aos filhos. Não cria um clima bom dentro de casa. Não é que vai matar, mas também não vai ajudar a situação, porque quando o pai ou uma mãe grita, ele pensa que está tomando o controle da situação nas mãos, mas, na verdade, o que ele está mostrando para o filho é que ele perdeu o controle”, explica o palestrante e apresentador Renato Cardoso, durante o programa Transformação Total de Pais e Filhos.

Gritar é um péssimo exemplo. Segundo Renato, dessa maneira, os pais estão ensinando aos seus filhos a fazer a mesma coisa. Além disso, incentiva a mentira, pois, diante de alguma situação é possível que os filhos queiram esconder o fato com receio da reação descontrolada dos pais.

“Se gritar fosse uma coisa aceitável, então, no trabalho seria aceito que o patrão gritasse com o funcionário, o funcionário com o colega ou em outras situações sociais. Mas, em nenhum lugar, a gente aceita que alguém grite. Por que aceitaríamos dentro de casa?”, questionou o apresentador.

Seja um bom exemplo

O palestrante explica que uma das regras da boa comunicação é, em vez de gritar, que a pessoa melhore seus argumentos e, principalmente, saiba se controlar para poder controlar a situação dentro de casa. “Disciplina dos filhos não é algo fácil, não existe fórmula, mas existe o que se aplica e traz resultados na vida familiar”, salientou Renato.

Assista ao vídeo abaixo, do programa “Transformação Total de Pais e Filhos”, e confira na íntegra a explicação de Renato. Conheça também a história de Cida, que, por diversas vezes, presenciou o seu pai gritando com a sua mãe e, por isso, ficou traumatizada. Como reflexo, ela cometeu o mesmo erro, gritando com os irmãos – quando pequena – e passado anos, começou a gritar com seu esposo e sua filha Sara:

Você também precisa de ajuda para transformar a sua vida familiar? Na palestra “Transformação Total de Pais e Filhos”, com Renato e Cristine Cardoso, que acontece às 18h, no Templo de Salomão, na Avenida Celso Garcia, 605, Brás, zona leste da capital paulista, você pode aprender esse e outros segredos de como lidar com os problemas familiares. Participe, ou acompanhe pelo Univer Vídeo.


  • Por Débora Picelli / Foto: Thinkstock 


reportar erro