Rede aleluia
Polônia aprova Convenção pela Família
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 20 de Abril de 2021 - 23:34


Polônia aprova Convenção pela Família

Objetivo é contrapor convenção europeia que fortaleceria ideologia de gênero

Polônia aprova Convenção pela Família

A Câmara de Deputados da Polônia acaba de aprovar o projeto de lei conhecido como “Sim à Família, Não ao Gênero”. A proposta promete “combater a ideologia de gênero e fortalecer as famílias polonesas”. 

O projeto agora será avaliado pela Comissão Parlamentar de Relações Exteriores e pela Comissão de Justiça e Direitos Humanos do país. Também será necessário que o Senado e o presidente do país o aprovem para que ele entre em vigor. Caso se transforme em lei, o projeto obriga o governo polonês a abandonar a “Convenção de Istambul” e iniciar uma “Convenção Internacional sobre os Direitos da Família”. 

O que é a Convenção de Istambul 

O documento conhecido como “Convenção de Istambul” chama-se, na verdade, “Convenção do Conselho da Europa para a Prevenção e o Combate à Violência Contra as Mulheres e a Violência Doméstica”. Ele foi criado em 2011, na capital da Turquia, com o objetivo de prevenir a violência doméstica, proteger as vítimas e punir os agressores, que quase sempre ficam impunes. 

Ao decorrer dos anos, 44 países da União Europeia assinaram o acordo, com seus governos se comprometendo a combater a violência doméstica. 

Nos últimos anos, porém, células conservadoras de alguns países passaram a apontar que a Convenção de Istambul estava sendo utilizada, na realidade, para que a União Europeia obrigasse os países a aceitar a ideologia de gênero, desrespeitando costumes antigos de cada um.

Essa denúncia está sendo realizada porque os termos da Convenção se mostram contra a discriminação por orientação sexual. 

Por esse motivo, a própria Turquia, primeira assinante do tratado, deixou a Convenção no dia 20 de março de 2021. Na ocasião, o presidente turco, Recep Tayyip Erdoğan, prometeu a criação de uma comissão parlamentar para analisar a legislação em vigor e encontrar maneiras de combater a violência doméstica. 

Semanas após o ocorrido na Turquia, foi a vez de os deputados poloneses decidirem pelo afastamento da Convenção de Istambul. 

Convenção pelos direitos da família 

A Convenção Internacional sobre os Direitos da Família, a qual os deputados poloneses preferem aderir, foi criada pelo Congresso Social Cristão e pelo Instituto Ordo Iuris de Cultura Legal, duas entidades conservadores da sociedade polonesa. 

De acordo com o Ordo Iuris, “a Convenção de Istambul mina as bases da ordem jurídica polonesa ao questionar a autonomia e a identidade da família e ao restringir o direito de criar os filhos pelos pais”. 

A Convenção pela Família foi criada em julho de 2020. De acordo com o site oficial da Ordo Iuris, ela é apoiada por dezenas de organizações polonesas pró-família: 

“O objetivo da iniciativa é encerrar imediatamente a Convenção de Istambul com base no gênero e começar a trabalhar em um esboço da Convenção Internacional sobre os Direitos da Família e apresentá-la em um fórum internacional”. 

Mesmo antes de se tornar lei, o governo polonês já trabalha internacionalmente pelo projeto. Ainda em 2020, a equipe do presidente conservador Andrzej Duda entrou em contato com República Checa, Eslováquia, Eslovênia e Croácia na intenção de que seja criado um compromisso jurídico de proteção à família envolvendo diversos países. 

Integrantes do partido atualmente no poder na Polônia, o conservador Lei e Justiça, declararam apoio à convenção da sociedade polonesa em oposição à Convenção de Istambul, que “abre espaço para que a comunidade LGBT imponha suas ideias sobre gênero a toda a sociedade”.

Essa é a mesma opinião dos criadores da convenção polonesa. Para eles, “oficialmente a Convenção de Istambul trata de ‘prevenir e combater a violência contra a mulher e a violência doméstica’, mas na verdade promove a ideologia de gênero”. 

Tanto a Turquia quanto a Polônia, por demonstrarem sinais de abandono da Convenção de Istambul, já foram ameaçadas por membros da União Europeia. O abandono da Convenção poderia resultar em sanções econômicas e sociais aos países. 


Polônia aprova Convenção pela Família
  • Redação / Foto: Getty Images 


reportar erro