Rede aleluia
“Passava mais tempo em uma cama de hospital do que desfrutando de uma vida normal”
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 9 de agosto de 2020 - 00:05


“Passava mais tempo em uma cama de hospital do que desfrutando de uma vida normal”

Conheça a história da jovem Thainara Ibiapino. Na infância, ela já sofria com diversos problemas de saúde

“Passava mais tempo em uma cama de hospital do que desfrutando de uma vida normal”

A estudante Thainara Ibiapino Rodrigues, de 17 anos, relata que sempre teve muitos problemas de saúde. A baixa imunidade, que é o mecanismo de defesa do organismo, a deixava mais suscetível a doenças. Ela explica que não se recorda de nenhuma vez em que não tenha apresentado problemas de saúde. “Todo ano era uma doença nova. Quando eu achava que estava bem, aparecia alguma coisa”, afirma.

Uma das primeiras doenças que a jovem enfrentou foi a pneumonia, que é um tipo de inflamação que afeta os pulmões e que, geralmente, está relacionado a uma infecção.

O tratamento requer o uso de antibióticos, mas, caso o paciente não apresente melhora, a internação hospitalar é necessária. Thainara passou por várias internações no período de um ano. Ela relembra que o hospital era como se fosse a sua casa. “Passava mais tempo em uma cama de hospital do que desfrutando de uma vida normal. Todas as vezes que recebia alta hospitalar era uma alegria, mas nem completava duas semanas em casa e já passava mal novamente e tinha que voltar para a emergência.”

Mais doenças
A jovem também tinha asma, que é considerada uma das doenças respiratórias crônicas mais comuns na população. O problema causava falta de ar e cansaço constantes. Thainara procurou vários especialistas e tratamentos, mas nada parecia fazer efeito. “Eu usava bombinha para conseguir respirar normalmente. Além disso, tinha doenças como rinite e sinusite que, quando atacavam, me deixavam ainda mais debilitada.”

Buscando a cura
Ela relata que passou a se questionar sobre tudo que estava lhe acontecendo. “Comecei a achar tudo muito estranho. Parecia algo espiritual. Todos os meses eu passava em consultas para diferentes problemas e nenhum deles era resolvido. Parecia que até os problemas mais simples não tinham cura.”

Cansada de tentar solucionar seus problemas de saúde com remédios e não conseguir, Thainara procurou outro tipo de ajuda. Uma amiga dela, que frequentava a Universal, a convidou para participar de uma reunião. “Conheci a Igreja em 2016 e logo passei a participar das reuniões de cura, pois sabia que somente a fé poderia me curar”, diz.

Mesmo buscando pela resposta por meio da fé, Thainara se deparou com uma nova notícia negativa. Ela descobriu que estava com um cisto no ovário. Foi uma prova para mostrar o quanto precisava fortalecer a própria fé. “Naquele momento percebi que eu não poderia mais aceitar aquela situação. Foi quando decidi colocar todas as minhas forças no tratamento com a água”, conta.

Thainara passou a fazer uso da água todos os dias e pedia para que Deus a livrasse daquele cisto e de todas as doenças. Ela enfatiza que depois de fazer uso da água alguns dias viu uma drástica diferença em sua saúde. “Eu já não me sentia mal, não estava usando a bombinha para respirar nem precisei mais passar por nenhuma internação. Parecia que meu corpo era outro.”

Ao retornar ao médico depois do diagnóstico do cisto, Thainara refez todos os exames e foi constatado que ela já não tinha mais nada no ovário “O cisto desapareceu sem que eu tivesse que usar remédio. A minha fé me trouxe a cura. Deus foi o meu médico”, declara.
Thainara é saudável e tem uma vida normal. Assim como ela, você também pode buscar pela sua saúde ou de um ente querido todas as terças-feiras na Universal mais próxima. Participe.

Cura

Você ou um familiar também estão passando por um momento difícil e sofrendo com uma grave doença? Participe da reunião da “Corrente dos 70“. Milhares de pessoas já receberam a cura. Sobretudo, provando que o tempo de milagres não acabou.

Se você acredita que esse sofrimento pode ter um fim, compareça! A saber, a “Corrente dos 70” acontece às terças-feiras, no Templo de Salomão, localizado na Avenida Celso Garcia, 605, no bairro do Brás, zona leste de São Paulo.

Para mais informações em sua localidade, procure a Universal mais perto da sua casa.

Jejum de Daniel

Participe também do grande propósito espiritual, o “Jejum de Daniel”. Essa é uma oportunidade única para quem deseja se aproximar do Altíssimo e ser selado com o Seu Espírito.

Durante 21 dias, aqueles que desejam ter uma experiência com Deus, abdicarão de entretenimento, notícias e informações seculares para se dedicarem a se alimentar de conteúdos que fortaleçam a fé. Assim, poderão buscar a presença do Altíssimo e se envolver com a mensagem dEle. Saiba mais sobre o propósito clicando aqui.


“Passava mais tempo em uma cama de hospital do que desfrutando de uma vida normal”
  • Maiara Máximo / Fotos: Cedidas 


reportar erro