Rede aleluia
Padre que teria roubado R$ 2 BILHÕES pode ter processo reaberto
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 22 de Fevereiro de 2021 - 18:20


Padre que teria roubado R$ 2 BILHÕES pode ter processo reaberto

Novas provas levantam suspeitas até sobre a delegada que investigou o caso

Padre que teria roubado R$ 2 BILHÕES pode ter processo reaberto

O secretário de Segurança Pública de Goiás, Rodney Miranda, solicitou publicamente que a Justiça reabra o processo que investiga crimes supostamente cometidos pelo padre Robson de Oliveira. O processo havia sido arquivado pelo Tribunal de Justiça do estado em outubro. Mas agora há novas provas que podem incriminar o suspeito.

O pedido do secretário aconteceu após o programa de televisão “Fantástico” apresentar gravações em que a voz do padre Robson aparece confessando crimes. A reportagem também afirma que há provas de que a delegada responsável pelo caso, Renata Vieira, auxiliou o padre a se livrar das acusações.

A delegada nega e afirma que, apesar de haver uma amizade entre os dois desde 2009, ela agiu conforme manda a Lei.

Em uma das gravações expostas, o padre afirma:

“Eu vou tentar usar dos meios que eu conheço pra persuadi-lo a me dizer, realmente, se o que ele tem é algo interessante. Eu vou levar um policial e uma pessoa armada para me proteger, já ia fazer isso tudo fora do padrão legal. E nós vamos dar um chega nesse caboclo lá, mas vai ser na base do Faroeste Caboclo.”

O padre faz referência a um rock dos 1980, onde dois traficantes trocam tiros em praça pública, reproduzindo uma cena de faroeste. A música retrata uso de drogas, estupro, corrupção, infidelidade, homicídios e termina com uma grávida cometendo suicídio. É esse o cenário que o padre se propõe a reproduzir.

Os advogados do padre afirmam que os áudios são montagens de hackers para incriminá-lo. Entretanto, a reportagem que as exibiu afirma que peritos do Ministério Público já confirmaram a autenticidade.

Crimes investigados

Rodney Miranda afirmou que estão vendo com clareza a obstrução de Justiça:”… nós estamos vendo tráfico de influência, lavagem de dinheiro, organização criminosa. Uma ação de uma quadrilha que se apoderou de uma igreja”.

O padre é investigado por lavagem de dinheiro, apropriação indébita e falsidade ideológica. Ele teria desviado mais de R$ 2 BILHÕES em dez anos para comprar carros e casas luxuosas, fazendas e até um avião.

Durante o programa Morning Show, da Jovem Pan, o jornalista Joel Pinheiro comentou o caso:

“[É espantoso] o grau de ilegalidade do padre católico. De quem a gente espera que seja alguém meio distanciado do mundo. A batina é preta, porque significa o luto para o mundo. Quer dizer: ele morreu para o mundo, deveria estar longe disso. É o cara mais mundano, envolvido em negociata, tem amante, ameaça matar, é o cara mais mundano e criminoso que você pode imaginar.”

À sociedade, cabe agora aguardar pela Justiça.


Padre que teria roubado R$ 2 BILHÕES pode ter processo reaberto
  • Redação / Imagem: Reprodução Youtube Jovem Pan 


reportar erro