Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 14 de outubro de 2018 - 00:05


Ônibus lotado e sujo?

Transporte público de qualidade é um direito de todo brasileiro. Superlotação, atrasos e falta de manutenção devem ser denunciados

Pegar ônibus cheios, atrasados e com falta de limpeza faz parte da rotina de muitos brasileiros. Infelizmente, o transporte coletivo é um dos serviços que mais geram problemas para a população: 89% dos usuários reportaram alguma dificuldade ao utilizá-lo, segundo pesquisa do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec). Mas não deveria ser assim. Afinal, esse é um serviço garantido por lei.
Todo cidadão tem direito a um transporte público limpo, seguro, acessível, pontual e com manutenção e lotação adequadas. As regras valem para trens, metrôs, ônibus convencionais, ferry boats (travessia por balsas), BRTs (sistema de ônibus rápidos) e VLTs (veículos leves sobre trilhos). É isso que indicam legislações federais, como a Política Nacional de Mobilidade Urbana (Lei 12.587/12) e o Código de Defesa do Consumidor (Lei 8.078/90), entre outras.
Mais direitos
A informação é um dos direitos garantidos aos usuários de transportes públicos. Pontos de embarque e desembarque de passageiros devem apresentar informações sobre itinerários, horários, tipos de integrações e canais de atendimento. “Sem informação disponível, a empresa pode readaptar os horários conforme seus interesses e isso leva à superlotação e a outros problemas”, esclarece Rafael Calábria, pesquisador em mobilidade urbana do Idec.
Os usuários também têm direito a se deslocar em qualquer local e hora. Por isso, pelo menos uma das opções de transporte público coletivo deve estar disponível ao usuário durante as 24 horas do dia. Também é direito dele ser atendido com cortesia. Pessoas com deficiência e mobilidade reduzida têm direto a veículos, pontos de parada, estações e terminais acessíveis.
O que fazer?
Como agir quando esses direitos são desrespeitados? Ficar calado é a pior atitude, explica Calábria. “Muitos cidadãos não conhecem os canais de reclamação ou não acreditam que vai dar resultado. Apesar disso, é importante registrar a reclamação”, alerta. “Se ninguém reclamar, a empresa responsável vai concluir que o serviço está bom e não fará nada para melhorar”, completa.
Para ajudar o cidadão a se informar sobre seus direitos, o Idec lançou em setembro o Guia do Usuário de Transporte Público, que pode ser baixado gratuitamente pelo site da instituição. Entre os direitos pouco conhecidos, está a possibilidade de pedir o dinheiro de volta ou outra passagem se o serviço não foi prestado de forma adequada.
Se o problema no transporte público atinge várias pessoas, a dica de Calábria é se organizar em grupo com outros usuários. “A reclamação ganha mais força quando é feita por várias pessoas.” Nesse caso, vale fazer abaixo-assinados e petições e encaminhar aos órgãos responsáveis. Os cidadãos também podem registrar reclamações nas redes sociais das empresas. Não se esqueça: juntos somos mais fortes.


  • Rê Campbell / Foto: Joel Silva/Folhapress / Arte: Edi Edson 


reportar erro