Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 9 de setembro de 2019 - 13:50


OMS alerta que 800 mil pessoas cometem suicídio por ano no mundo

Continente americano registrou aumento de 6% na taxa de casos per capita

Com 800 mil pessoas que acabam com suas vidas todos os anos no mundo – uma a cada 40 segundos – os números continuam alarmantes, embora a taxa de suicídio per capita esteja caindo, informou a OMS nesta segunda-feira. Em um relatório publicado um dia antes do Dia Mundial da Prevenção ao Suicídio, a Organização Mundial da Saúde (OMS) explica que entre 2010 e 2016, a taxa global caiu 9,8%, com quedas que vão de 19,6% na região do Pacífico Ocidental a 4,2% na região do Sudeste Asiático.

A região das Américas – onde o acesso a armas de fogo é um importante meio de suicídio, segundo a OMS – é a única que registrou um aumento (+6%). Parte do declínio da taxa mundial se deve ao fato de mais países terem estratégias de prevenção. “Apesar do progresso, ainda há uma morte por suicídio a cada 40 segundos”, a mesma frequência que a indicada em 2014, disse o diretor da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em comunicado.

A grande maioria dos suicídios ocorre em países de baixa e média renda, mas os países de alta renda têm a maior taxa de suicídio (11,5 por 100.000 habitantes). As taxas de suicídio na África, Europa e Sudeste Asiático estão acima da média mundial de 10,5 por 100.000 habitantes, enquanto a região do Mediterrâneo Oriental tem a taxa mais baixa.

Guiana e Rússia

De acordo com comparações internacionais, a Guiana, antiga colônia britânica entre Venezuela e Suriname, é o país com a maior taxa de suicídio per capita (30,2 por 100.000), com um alto número de ingestão de pesticidas. Depois vem a Rússia, onde o excesso de álcool é responsável pela alta taxa de suicídios. Entre os outros países com altas taxas estão Lituânia, Lesoto, Uganda, Sri Lanka, Coreia do Sul, Índia e Japão.

Na França, a taxa é de 12,1 por 100.000 habitantes. Por gênero, é de 6,5 por 100.000 mulheres e 17,9 por 100.000 homens. Essa diferença importante entre homens e mulheres é vista em todo o mundo, com poucas exceções como na China (8,3 por 100.000 mulheres e 7,9 por 100.000 homens). Essa diferença de gênero é geralmente maior nos países ricos.

Os métodos mais comuns de suicídio são enforcamento, envenenamento por pesticidas e armas de fogo. Segundo a OMS, a redução do acesso a pesticidas pode reduzir as taxas de suicídio, como demonstraram as iniciativas no Sri Lanka e na Coreia do Sul.

No Sri Lanka, uma série de proibições de pesticidas resultou em uma queda de 70% no número de suicídios, salvando 93 mil pessoas entre 1995 e 2015, segundo a OMS. No geral, pouco mais da metade de todas as pessoas que cometem suicídio têm menos de 45 anos. Entre a faixa etária de 15-24 anos, o suicídio é a segunda principal causa de morte, depois dos traumas causados por acidentes rodoviários.

A OMS está realizando uma campanha de um mês sobre a prevenção do suicídio. Nesta ocasião, a organização publicará uma brochura com recomendações para cineastas e criadores de séries de televisão. Segundo Alexandra Fleischmann, especialista científica da OMS, estudos mostram que “pessoas vulneráveis imitam” suicídios quando são mostrados em detalhes nas telas.


  • AFP / Foto: Getty Images 


reportar erro