Rede aleluia
O temido sentimento de ser invisível
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 11 de Junho de 2021 - 16:33


O temido sentimento de ser invisível

O tema foi abordado no programa “Não é fofoca é aprendizado”. Saiba mais

O temido sentimento de ser invisível

O planejamento, organização e tomada de decisões nos afazeres de casa normalmente é assumido pelas mulheres. Um tipo de esforço que, geralmente, não é reconhecido e que pode aumentar o estresse e a ansiedade, e também pode afetar a vida conjugal, causando conflitos.

Muitas mulheres se sentem invisíveis e pouco valorizadas e acabam por sobrecarregar suas mentes enquanto seus parceiros relaxam. A carga mental, isto é, a quantidade de esforço não físico e deliberado que deve ser realizado para alcançar um resultado concreto, é quase sempre assumida por elas.

Uma recente pesquisa realizada pela marca de produtos para o lar Procter & Gamble revelou que três em cada quatro mulheres sofrem de carga mental, embora 40% desconheçam o conceito e 45% nunca se pronunciaram sobre o assunto.

A carga mental é silenciosa e a sociedade não a reconhece porque não valoriza nem remunera o trabalho doméstico, apesar de ser um pilar fundamental da economia.

No programa “Não é fofoca é aprendizado”, exibido recentemente pela TV Templo, canal 10.1, e que você pode rever no Univer vídeo, a apresentadora Aline Munhoz e convidadas abordaram o tema e mostraram durante o bate-papo que a mulher não precisa se sentir diminuída e muito menos invisível, isso, porque quando ela aprende a delegar funções ela não se sobrecarrega mentalmente.

“Muitas mulheres se sentem assim, invisíveis, não se sentem valorizadas até mesmo pelos próprios companheiros… Mas é a mulher que dita o clima da casa, se ela está feliz, isso refletirá no seu lar”, comentou Michelle Paschoal, uma das convidadas do programa.

Para saber mais sobre o assunto, clique aqui e assista na íntegra a conversa entre amigas.


O temido sentimento de ser invisível
  • Sabrina Marques / Foto: Istock 


reportar erro