Rede aleluia

Notícias | 14 de setembro de 2018 - 10:58


O risco de engordar depois da bariátrica

Situação é pouco comentada, mesmo com muitos pacientes nessa condição. Saiba o que dizem os especialistas

De acordo com a Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção de Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), 18,9% dos brasileiros são obesos e 54% da população alcançou o sobrepeso. Segundo os dados, em 10 anos (de 2007 a 2017) a taxa de obesidade entre os jovens aumentou 110%.
Sair dessa condição não é uma tarefa fácil. Mudar radicalmente os hábitos alimentares e deixar o sedentarismo exige muita força de vontade, disciplina e acompanhamento médico para que seja algo eficaz e permanente. Nessa busca, muitos veem na cirurgia de redução de estômago, ou bariátrica, um apoio ou uma saída “mais fácil”. De acordo com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), o número de procedimentos aumentou de 72 mil em 2012 para 100 mil em 2016.
Mas o outro lado, pouco comentado, é a possibilidade de engordar novamente após a cirurgia, o que acontece com metade dos operados. Em muitos casos, a pessoa volta a ter o peso inicial ou até mais. “Geralmente acontece reganho de peso após dois anos de cirurgia se o paciente não fizer acompanhamento periódico com seu cirurgião, endocrinologista, nutricionista e se não seguir uma dieta e as orientações de exercícios físicos”, explica o cirurgião clínico e bariátrico Dr. André Augusto.
O especialista acrescenta que as doenças relacionadas à obesidade, como hipertensão, diabetes, esteatose hepática (gordura no fígado), entre outros, podem retornar com o reganho de peso.
Indicações
A intervenção é recomendada para pacientes com obesidade grau 3, ou seja, com Índice de Massa Corpórea (IMC) maior que 40, sem perda de peso com acompanhamento clínico após 2 a 5 anos. Também é indicado para os que estão com obesidade grau 2 (IMC maior que 35) e que possuem doenças relacionadas à obesidade.
“A cirurgia é somente uma parte do tratamento que consiste em pré, infra e pós-operatório. O paciente tem de se preparar para ela, fazendo acompanhamento com equipe especializada e multiprofissional. Após o procedimento, o acompanhamento deve ser frequente e ininterrupto para um bom resultado”, alerta Augusto.
Cálculo do IMC
Para calcular seu IMC divida seu peso em quilos pela sua altura ao quadrado. Por exemplo, se seu peso é 80 quilos e a sua altura é 1,80 metros, divida 80 por 1,8 ao quadrado. No caso, o resultado será 24,69, o que significa que você está no peso ideal. Verifique a tabela abaixo:
Menor que 18,5: Magreza
18,5 – 24,9: Saudável
25 – 29,9: Sobrepeso
30 – 34,9: Obesidade grau I
35 – 39,9: Obesidade grau II
Maior que 40: Obesidade grau III (mórbida)
Fonte: Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e Síndrome Metabólica (ABESO)
Gostou da matéria? Compartilhe nas suas redes sociais!


  • Rafaella Rizzo / Foto: iStock 



reportar erro