Rede aleluia

Notícias | 10 de dezembro de 2017 - 02:05


O resultado do sacrifício

Entenda quais são as consequências da entrega completa no Altar

Muitos cristãos têm fé em Deus e creem que Ele é capaz de lhes conceder muitas coisas. Contudo, a fé que provoca os milagres que transformam a vida de uma pessoa em sua totalidade é acompanhada de um sacrifício.

Todos os milagres de Jesus, por exemplo, foram realizados pela fé unida ao sacrifício. No Evangelho de João, capítulo 9, Jesus não curou o cego imediatamente porque ele não havia feito esse pedido e chamado Sua atenção. Ao contrário, o Senhor teve que fazer algo para que ele expressasse uma fé sacrificial. Para isso, transformou a água do tanque de Siloé em lodo e mandou que ele fosse até lá para que “sujasse” seus olhos. Só aí que ele foi curado.

Em português, a ideia de sacrifício indica se despojar de algo para o recebimento de algo ainda maior ou ter uma atitude incondicional por alguém ou por alguma coisa a ser conquistada. Sendo assim, o sacrifício que você oferece no Altar representa a vida que você não quer mais para obter outra nova e melhor.

Abraão, por exemplo, tinha apenas um filho, mas queria ser pai de um povo numeroso. Por isso, o entregou a Deus para ser pai de uma grande nação. Gideão tinha somente um boi, porém desejava ter mais. Então, ofereceu seu boi ao Senhor e recebeu dEle fartura e paz. A viúva pobre tinha apenas duas moedas, mas queria ter uma vida abundante. Para isso, concedeu suas moedas a Deus e recebeu a prosperidade.

Em seu programa Palavra Amiga, na Rádio Aleluia, o Bispo Edir Macedo afirmou que o Altar é o local onde o cristão se aproxima de Deus. “No Altar, as pessoas ficam a sós com Deus, como Jacó ficou no Vau de Jaboque. Ele ficou sem suas posses e sem ninguém, totalmente dependente de Deus. Quando ficou sozinho, veio o Anjo e, então, Jacó lutou com ele até que fosse abençoado.”

Da mesma forma, as pessoas que expressam no Altar a fé acompanhada do sacrifício lutam com Deus para obter as bênçãos que desejam. E, por estarem muito próximas dEle, renunciando vontades, desejos e posses, veem a transformação de suas vidas tanto material quanto espiritualmente. “Aquele que se entrega por meio de um sacrifício é como aquele novilho que era consumido pelo fogo no Altar. E o que acontece no Altar também acontece na mente e no coração daquele que o ofereceu”, completou o Bispo.

Renúncia total

Em seu blog, o Bispo Macedo escreveu que o problema de muitos cristãos é não se despojar do seu “eu” por completo no Altar de Deus. “Se você diz que entregou a sua vida no Altar e ela continua a mesma, com certeza é porque essa entrega não teve qualidade. Essa é a razão pela qual a vida de hoje também não tem qualidade”, reforçou.

Por isso, quem rejeita a vida que tem hoje, se revolta, sacrifica e se entrega totalmente, como fez a empresária Sônia Maria Candelária (foto ao lado), que ao chegar na Universal, há cerca de 20 anos, entendeu que apenas a fé sacrificial em Deus era capaz de transformar a vida dela e de sua família.

Antes de sacrificar no Altar, Sônia vivia doente, depressiva e via vultos por causa das dívidas que somavam mais de R$ 400 mil. Seu marido havia perdido uma empresa de 21 anos de existência e, com isso, o casal também perdeu bens e muito dinheiro.

Em razão das perdas, os problemas financeiros se intensificaram. “Eu passava 15 dias sem pentear os cabelos de tanta depressão. Cheguei ao ponto de não ter sapato para calçar nem roupa para vestir. A minha filha pequena pedia leite e eu não tinha dinheiro para comprar. Quando precisava comer, colocava sal e açúcar na água e bebia”, revela.

Desesperada, a única solução que via era o suicídio. “Levei meu filho para a casa da minha irmã no interior de São Paulo, para que eu pulasse do prédio e ele não visse a cena”, conta.

Sem amigos e sem o apoio da família, decidiu recorrer a Deus. Aceitou um convite para ir à Universal. “Eu era orgulhosa e tinha preconceito contra a Universal. Mas lá fui bem recebida. Cheguei de chinelo, com roupa rasgada e me deram atenção.”

Buscando a Deus, ela recebeu a direção dEle para abrir um pequeno salão de festas. Começou a trabalhar e, pouco tempo depois, entendeu que se se sacrificasse de corpo, alma e espírito no Altar, sua vida seria transformada. “Vendi uma linha telefônica que tinha, mas, para aumentar o sacrifício, quebrei o orgulho de ter ensino superior e ter sido empresária e fui catar latinha para vender. Eu era obesa mórbida e, por isso, não conseguia ficar me abaixando.”

Ela conta que ficou na dependência de Deus ao se ver a sós com Ele no Altar. “Renunciei a tudo e disse: ‘Meu Deus, eu dependo do Senhor. Tem que mudar, tem que haver transformação’.”

A partir daí, as mudanças começaram a acontecer. Ela deixou de ter os problemas de saúde e, gradativamente, passou a aumentar a empresa e a conquistar novos bens. Ela e seu marido abriram uma pequena loja de carros que depois, aos poucos, foi crescendo.

Depois de obter o entendimento do que é a fé sacrificial, Sônia não parou mais de fazer a entrega total no Altar. “Fomos adquirindo novos carros, imóveis residenciais e comerciais, casa na praia, apartamentos e hoje temos três empresas de carros.”

Mas ela garante que sua comunhão com Deus é o seu maior patrimônio conquistado. “Hoje tenho paz interior e a certeza de que Deus é comigo”, conclui.


  • Por Janaina Medeiros / Fotos: Demetrio Koch e Fotolia 


reportar erro