Rede aleluia
O que você sabe sobre o autismo?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 9 de Janeiro de 2022 - 00:05


O que você sabe sobre o autismo?

O conhecimento combate o preconceito e a desinformação

O que você sabe sobre o autismo?

O autismo, condição que integra o transtorno do espectro autista (TEA), envolve uma desordem complexa no desenvolvimento cerebral (com causas não muito esclarecidas) que pode ser caracterizada por comprometimentos que implicam em desafios sociais, de comunicação e comportamentais significativos, de acordo com informações do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês). De acordo com o CDC e as estimativas da Rede de Monitoramento de Deficiências de Desenvolvimento e Autismo, uma a cada 44 crianças é identificada com TEA (2018). A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera que 1% da população mundial tenha TEA (cerca de 70 milhões de pessoas). Com isso, embora não haja estudos populacionais de prevalência robustos ou números oficiais no Brasil, estima-se que cerca de 2 milhões de pessoas de diferentes idades estejam dentro do espectro autista e que a maior parte dos adultos autistas ainda não tenha sido diagnosticada.

O autismo é um espectro – e não um transtorno uno –, o que significa que em cada pessoa ele se apresenta de forma específica. Isso esclarece por que algumas pessoas com TEA levam a vida de modo funcional e outras precisam lidar com limitações.

É importante ressaltar também que o autismo não é uma doença, mas apenas um conjunto de características que leva pessoas a “se comunicarem, interagirem, se comportarem e aprenderem de maneiras diferentes da maioria das outras pessoas”, como descreve o CDC.

ROMPENDO BARREIRAS
A Associação Brasileira de Assistência e Desenvolvimento Social (Abads), antiga Sociedade Pestalozzi, instituição sem fins lucrativos que atende pessoas com deficiência intelectual e autismo há 69 anos, tem desempenhado papel primordial para a redução de riscos e da vulnerabilidade social de crianças, adolescentes e adultos com espectro autista e outras limitações. “A instituição tem trazido luz, quebrado paradigmas e preconceitos e vem mostrando às famílias que o autismo não é o fim, mas pode ser o começo de uma batalha. Há muitos mecanismos que podem ser utilizados para lidar com ele”, relata Rose Amorim, presidente da Abads.

A Abads conta com vários profissionais que oferecem estímulos para o “desenvolvimento da capacidade cognitiva, linguagem e interação social e que também colaboram para a autonomia e o autocuidado, dando condições para que esse indivíduo tenha melhor qualidade de vida. Temos a escola de educação especial, com ensino fundamental I (do primeiro ao quinto ano), para crianças e jovens com deficiência intelectual e autismo e todos os alunos participam de oficinas pedagógicas de dança, informática, artes, educação física, brinquedoteca e musicoterapia. Procuramos focar no indivíduo e em suas potencialidades e habilidades e não em suas deficiências. Sempre falo que todos temos deficiências, mas todos temos potencialidades”, afirma Rose. A instituição também amplia as condições sociais dos indivíduos com autismo ao conduzi-los ao emprego apoiado (são acompanhadas mais de 350 colocações no mercado de trabalho).

Apesar de casos de milhares de vidas transformadas, ainda há muito a ser feito: “há mais de 800 famílias na fila de espera. Como presidente me sinto, muitas vezes, impotente. Tudo aqui é gratuito e precisamos de recursos para ajudá-las. Para isso, o primeiro passo é conhecer a causa: os canais e as redes sociais da Abads estão abertos e tratam diariamente do autismo e de outras condições não só de forma técnica, mas de modo real, por exemplo abordando o que é, como lidar, como cuidar, como agregar algo à vida dessas pessoas e como elas agregam algo à nossa vida.

São pessoas que se superam a cada dia porque vencem obstáculos, querem viver, serem felizes, estudar e viajar. São pessoas normais que querem ter uma vida digna. Por isso, vale conhecer e validar a causa investindo no outro e sendo patrocinador de uma sociedade mais inclusiva”, acentua Rose.

Você também pode contribuir para que mais pessoas recebam o atendimento que necessitam na Abads. Visite o site abads.org.br e conheça a instituição. Para contribuir via Pix use a chave doe@abads.org.br.

Conheça mais sobre o autismo no infográfico.


O que você sabe sobre o autismo?
  • Flavia Francellino / Arte: arte: Edi Edson 


reportar erro