Rede aleluia

Notícias | 19 de junho de 2018 - 03:05


O que você faz para tornar a vida do seu parceiro melhor?

Especialista dá 5 dicas para praticar a empatia no seu relacionamento

“Trate ou outros como gostaria de ser tratado”. Essa é uma máxima do relacionamento humano que está na ponta da língua da maioria das pessoas. Gostamos de repeti-la sempre que nos convém. Entretanto, será que, na prática, temos feito isso realmente, especialmente, na vida a dois?

Como você reage, por exemplo, quando percebe que seu parceiro está estressado? Será que você procura entender ou fica na defensiva e se arma para um contra-ataque?

Para a psicóloga Marina Simas de Lima, especialista em terapia de casal e família, a empatia acontece quando há uma conexão verdadeira com o outro e a pessoa consegue deixar de lado o individualismo, assim como, as críticas e os julgamentos.

“Para sermos empáticos precisamos pensar muito mais no que é bom para o casal do que para nós mesmos. A empatia nos obriga a entender que nossos interesses e necessidades nem sempre serão os mesmos do nosso parceiro, portanto precisaremos ceder em alguns momentos e isso dentro de um casamento é uma constante”, destaca a terapeuta.

Ela explica que a empatia, contudo, vai muito além de perceber como o outro está se sentindo, além disso, é preciso demonstrar apoio, compreensão, por meio de atitudes que a façam se sentir amada e apoiada.

A especialista dá 5 dicas para praticar a empatia no relacionamento:

1- Julgue menos, apoie mais – Não caia na tentação de fazer críticas e julgamentos diante de uma falha ou uma decisão errada do seu cônjuge. Em vez disso coloque-se no lugar dele e demonstre seu apoio.

2- Esteja de fato presente na vida dele – Às vezes, você está presente fisicamente, mas longe emocionalmente. Quantas vezes aconteceu de, enquanto seu marido ou sua esposa falava, em vez de prestar atenção nele (a) sua atenção estava voltada para o celular ou para a tevê? E se fosse você no lugar dele (a), como se sentiria?

3- Importe-se de verdade – Pergunte o que o outro precisa, ofereça sua ajuda, se disponha a ouvi-lo, faça-o perceber que pode contar com você.

4- Não faça uma competição de sentimentos – A pior coisa que você pode fazer quando alguém lhe conta um problema é tentar minimizá-lo dizendo que já passou por situação igual ou pior. Isso não é nada empático e, além disso, cada dor é única e não deve ser comparada. Apenas ouça o que ele tem a dizer; isso o fará se sentir melhor.

5- Seja tolerante: A tolerância e a empatia se complementam. Você não precisa abrir mão de suas opiniões ou crenças, mas precisa entender que todos são livres para pensarem e agirem de maneiras que nem sempre serão iguais às suas.

De acordo com o apresentador do programa The Love School – A Escola do Amor -, Renato Cardoso, em qualquer relacionamento sempre haverá divergência de opiniões, pontos de discordância, afinal, as pessoas são diferentes. Porém, “amar não significa concordar sempre, mas, inclui sempre pensar em como fazer a vida do parceiro melhor. Você tenta se colocar no lugar da outra pessoa, imaginar o que ela está passando. Aí se pergunta: o que eu gostaria que me fizesse se eu estivesse nessa situação?”, aconselha Renato.

Para aprender mais sobre como ter um relacionamento feliz, participe da Terapia do Amor, que acontece todas as quintas-feiras no Templo de Salomão, em São Paulo, ou, para outras localidades, consulte aqui os endereços.


  • Por Jeane Vidal / Foto: Istock 



reportar erro