Rede aleluia
O que pensa Flávio Rocha?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 24 de Junho de 2018 - 03:05


O que pensa Flávio Rocha?

Empresário e cristão, pré-candidato à Presidência da República pelo PRB defende Estado liberal na economia e conservador nos costumes

O que pensa Flávio Rocha?

Pré-candidato à Presidência da República pelo Partido Republicano Brasileiro (PRB), o empresário Flávio Rocha, de 60 anos (foto a dir.), é conhecido por ser dono das lojas Riachuelo. Casado há 28 anos, pai de quatro filhos e cristão, Rocha defende um Estado liberal na economia e conservador nos costumes. Ele começou sua carreira política em 1986, quando exerceu o primeiro mandato como deputado federal e foi membro da Assembleia Nacional Constituinte. Em 1995, assumiu o segundo mandato como deputado federal. Após atuar durante 10 anos como CEO do Grupo Guararapes, Rocha vai disputar as eleições em 2018 com propostas como a privatização de empresas estatais e a reforma da Previdência. A Folha Universal realizou uma entrevista exclusiva com o pré-candidato para conhecer suas principais propostas. Confira a seguir:

Folha Universal: Se fosse eleito, o senhor disse que quatro reformas estariam entre suas primeiras ações. Quais são elas?

Flávio Rocha: A reforma de maior impacto na competividade é a tributária. Minha proposta é a simplificação imediata do sistema tributário, no chamado Imposto Único Federal. Isso libera a economia de praticamente 8% do Produto Interno Bruto (PIB) gasto em escrituração tributária. A reforma trabalhista já foi aprovada, mas precisa ser implementada, porque é uma grande conquista do trabalhador. Os primeiros números já mostram que estamos voltando a gerar emprego e que as ações trabalhistas estão caindo, isso vai estimular a geração de empregos. A terceira reforma é a do Estado. Temos Estado demais onde o Estado é desnecessário, inútil, ineficiente, e falta Estado no essencial, que é saúde, educação e segurança pública. Precisamos de um Estado servidor, um Estado que presta serviços. Um plano de privatizações pode trazer cerca de R$ 600 bilhões de recursos que estão aplicados em estatais, muitas totalmente inoperantes, aumentando a competitividade do Brasil. E a reforma da Previdência, que não é só questão de caixa, mas de justiça social. Estou falando de 1 milhão de superaposentadorias que geram 75% do déficit da Previdência. Elas têm que ser revistas sob a ótica de minimizar privilégios.

FU: Quais as propostas para a saúde?

Flávio Rocha: A saúde é talvez o setor do Estado brasileiro onde o impacto de uma boa gestão vai se fazer sentir. Hoje faltam as mais elementares tecnologias na saúde. Comparando com outros países, que têm um sistema universal como o nosso, como França e Inglaterra, os percentuais, tanto sobre o PIB quanto sobre o orçamento do Estado, são muito parecidos e nesses países se oferece saúde da melhor qualidade. O problema não é falta de dinheiro, é falta de gestão. A cadeia de valor da saúde, os consultórios médicos, os laboratórios de exames clínicos, o SUS e os hospitais estão totalmente desconectados. Na Inglaterra, por meio de um aplicativo, você faz consulta on-line com seu médico, mas aqui no Brasil isso é proibido, a corporação dos médicos não permite que se coloque tecnologia, porque, erroneamente, se imagina que a tecnologia e a eficiência que ela traz geram desemprego. Nós temos em nosso programa de governo o que chamamos de “Uber da Saúde”, que integra todos esses elos da cadeia de valor, eliminando a redundância de exames clínicos. Um choque de gestão, com tecnologia adequada, vai colocar a nossa saúde em outro patamar.

FU: Sobre educação, o senhor defende o chamado “voucher estudantil”. Como funcionaria esse modelo?

Flávio Rocha: É usar o que tem de melhor no Estado e na iniciativa privada. Na educação não faltam recursos, o Brasil gasta 6,5% do PIB nessa área, enquanto países como Finlândia e Coreia do Sul gastam em torno de 4% e são referência. Nós praticamente duplicamos o investimento em educação em 10 anos e estamos caindo vertiginosamente em todas as medidas de performance da educação, como o índice Pisa no qual estamos entre os 10% piores. Há uma incongruência entre o que se gasta e a performance que se tem, mais uma vez é problema de gestão. O voucher estudantil possibilita uma pluralidade, uma variedade de métodos. Em vez de tentar gerir a vaga escolar, o Estado pode oferecer o tíquete educação ou um crédito para os melhores alunos a princípio e depois esse percentual pode ir crescendo. Isso também elimina outro problema que é o de castas: temos ricos estudando em escolas particulares e a maioria das pessoas de menor poder aquisitivo é refém da má qualidade do ensino público. Com o voucher estudantil é possível dar acesso a escolas de alto nível a esse contingente de crianças pobres.

FU: E os planos para a segurança pública?

Flávio Rocha: Nessa área realmente faltam recursos. É preciso prestigiar as polícias, que hoje estão desprestigiadas e são atacadas em todas as frentes, 97% das notícias sobre a polícia são muitas vezes negativas. É preciso mudar a Lei de Execuções Penais, que é altamente leniente e benevolente com o crime, isso causa impunidade. Está ficando bom negócio ser bandido no Brasil e mau negócio ser policial. É oito vezes mais perigoso ser policial no Brasil do que era ser um soldado norte-americano na guerra do Vietnã ou na Segunda Guerra Mundial. Temos que endurecer as penas e acabar com a impunidade, porque essa história de que bandido é uma vítima da sociedade levou a 300% de crescimento na criminalidade no Brasil. Presídios viraram escritórios do crime e estão sendo loteados entre as facções criminosas. Temos um plano extremamente corajoso, com medidas que são apoiadas pela grande maioria da população brasileira, com vistas a enfrentar esse quadro de quase guerra civil que estamos vivendo em nossas capitais.


O que pensa Flávio Rocha?
  • Por Rê Campbell / Fotos: Marcelo Alves 


reportar erro