Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 12 de setembro de 2019 - 12:09


O que está por trás da depressão

Bispo Macedo participou do programa Entrelinhas e analisou o assunto. Assista pelo Univer Vídeo

Com apresentação do Bispo Edir Macedo e do Bispo Adilson Silva, o programa Entrelinhas do último domingo (8), deu continuidade ao tema “Depressão”.

A doutora Eunice Higuchi esteve presente nos estúdios novamente, mas, desta vez, acompanhada do filho, Guilherme Munhoz, que tinha apenas 9 anos de idade quando conviveu com o drama da mãe, que sofreu com a depressão.

Outra participação especial foi da professora Débora Costa Matheus, que contou como a vida dela foi devastada pela doença –  em um curto espaço de tempo -, e como a venceu.

“Ninguém melhor para falar do que é depressão do que as pessoas que, um dia, estiveram depressivas”, argumentou o Bispo Macedo, ao iniciar o programa.

Ao contrário da maioria das pessoas que sofre com depressão, Débora não havia tido nenhuma perda significativa quando começou a apresentar os primeiros sinais da doença. Ela conta que estava vivendo, inclusive, uma ótima fase, tanto na vida pessoal quanto na profissional.

Leia também:

Elas venceram a depressão por meio da fé

Depressão: Brasileiro tem vergonha de assumir a doença

Uma vida devastada pela depressão

Mas, surpreendentemente, a primeira crise de síndrome do pânico – que foi o primeiro sintoma -, aconteceu em meio a um passeio com a família.

Ela relata que, de repente, começou a passar muito mal e a sensação que tinha era de que ia morrer. “A princípio, achei que era uma queda de pressão. Eu saí do carro para tomar algo para restabelecer a pressão. Mas não consegui restabelecer. Eu fui piorando, piorando, desfalecendo, a ponto de um policial me colocar numa viatura e me levar para uma unidade médica”, recorda-se.

A partir de então, as crises foram se intensificando e acontecendo com mais frequência.

“É muito angustiante, porque por mais que você tente reagir, seu corpo não responde. Você busca ajuda, terapia, medicamentos e nada resolve. Embora, tenha sido por pouco tempo, ela foi devastadora, porque veio muito forte a ponto de eu não conseguir mais me locomover sozinha. E quando eu não conseguia mais me alimentar – nem mesmo com líquidos -, e já tinha emagrecido bastante, meus familiares pensaram em me internar  em um hospital psiquiátrico”, conta.

A dor dos entes queridos

Inevitavelmente, a família da vítima também é afetada, pois além de sentir a dor do ente querido, sofre por se sentir incapaz de ajudar e, em muitos casos, pelo sentimento de culpa. Ou seja, por pensar que pode não estar sendo boa o suficiente para fazer aquela pessoa feliz.

Era exatamente assim que Guilherme se sentia em relação à mãe. “Eu, como filho, pensava: ‘será que eu não sou um filho bom o suficiente para minha mãe ser feliz? ’ A gente procura fazer de tudo, achando que pode compensar de alguma forma a dor que ela sente”, desabafa Guilherme.

Causa e solução

Embora a maioria dos casos de depressão seja desencadeado por alguma perda – afetiva ou financeira -, a história da professora Débora veio nos mostrar que nem sempre ela é o fator determinante.

O Bispo Macedo cita o rei Salomão como exemplo: “Ele tinha tudo, tinha o mundo aos seus pés e, mesmo assim, sofria na alma. Ele não tinha a fé viva no Deus vivo, porque, naquela ocasião, tinha abandonado a fé no Senhor. Então, estava em profunda depressão, odiando a tudo e confessando que tudo era vaidade”. (Leia Eclesiastes 2 a partir do versículo 4)

Para o Bispo Macedo, qualquer que seja a depressão, profunda ou rasa, a solução está na Palavra de Deus.

“Salomão tinha a vida que, aparentemente, reunia todas as condições que as pessoas consideram necessárias para ter uma vida feliz. Mas, o problema está dentro da pessoa, tanto do rico quanto do pobre”, argumenta o Bispo Adilson Silva.

Afinal, o que está por trás da depressão?

Mas, felizmente, assim como Salomão, a professora Débora e a doutora Eunice, depois uma longa busca, encontraram a resposta que procuravam para alcançar a cura definitiva para os tormentos que viviam.

Para saber o desfecho da história delas e o que realmente está por trás da depressão, assista ao programa na íntegra pelo Univer Vídeo. Acesse a plataforma e assista, também, a outros conteúdos disponíveis aos assinantes.

 


  • Jeane Vidal / Fotos: cedidas 


reportar erro