Rede aleluia
O que é o projeto Uniforça?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 29 de Outubro de 2018 - 09:05


O que é o projeto Uniforça?

Além de ajudar nos eventos da Universal, o projeto leva apoio social em situações catastróficas

O que é o projeto Uniforça?

O Uniforça é um projeto da Força Jovem Universal (FJU) formado por jovens voluntários que se dedicam a prestar auxílio nos eventos realizados pela Universal. Criado em 2008, está presente em todo o País e conta com aproximadamente 8 mil voluntários.
O projeto se divide em cinco departamentos, como explica o Pastor Adelmo José, responsável pelo Uniforça no País: administrativo, incumbido de planejar e organizar estrategicamente os eventos; controle de acesso, que organiza e controla o acesso do público e apoia nas dependências dos eventos; resgate, composto por brigadistas, bombeiros civis e técnicos de enfermagem; produção, responsável pela estrutura dos eventos, como montagens e colocações de banners, palcos e equipamentos; e força-tarefa, que supervisiona e ajuda os demais departamentos e busca soluções para eventuais problemas.
Semanalmente, os voluntários participam de reuniões sobre direcionamento e estratégias e recebem acompanhamento espiritual. “Trabalhamos para a formação de jovens visionários e temos visto o bom desempenho dos integrantes dentro e fora das missões (eventos). São jovens que se tornaram bons filhos e excelentes profissionais. São homens e mulheres que têm feito a diferença por meio do testemunho de vida e do amor ao próximo”, afirma o Pastor.
Treinamento
Ao ingressar no projeto, os voluntários realizam o Curso de Formação de Uniforça (CFU), quando aprendem a orientar o público visando a segurança nos eventos, prestar primeiros socorros e agir em situações de risco. Com o apoio da Defesa Civil dos Estados, do Corpo de Bombeiros e outros órgãos, eles participam de treinamentos mensais, sempre acompanhados por profissionais.
Para o Pastor Adelmo, o Uniforça é um projeto muito importante dentro e fora da Igreja, uma vez que presta serviço a toda sociedade. Recentemente, os voluntários ajudaram em duas situações de calamidade pública: o desabamento de um prédio no centro da cidade de São Paulo, em maio; e o incêndio do Museu Nacional, no Rio de Janeiro, em setembro.
Nessas e em outras situações semelhantes, eles levam apoio, água e alimentos às vítimas, prestam auxílio aos bombeiros e mobilizam a população para que ajude as equipes de socorro.

Voluntária
Há pouco tempo, integrantes do Uniforça do Rio de Janeiro se formaram no curso de Capelania Pós-Desastre pela Escola da Defesa Civil (Esdec). Entre os formandos estava a técnica de enfermagem Sidicleia Fernandes, de 41 anos (foto a dir.). Participando dos encontros da FJU, ela se interessou, há dois anos, em colaborar com o projeto por meio de sua profissão.
Sidicleia estava entre os voluntários que prestaram auxílio aos bombeiros no incêndio no Museu Nacional, no Rio de Janeiro. Ela se sente realizada em ajudar o próximo e faz planos de fazer o curso de bombeiro civil. “Nosso trabalho não é realizado em busca de reconhecimento ou méritos. Somos os que ajudam sem aparecer, os primeiros a chegar e os últimos a sair. Fazemos por amor. Aprendi a ver a vida com um olhar mais humanizado, a me colocar no lugar do outro e ajudar sem olhar a quem. Na minha vida, o projeto representa crescimento. É unir as forças, como carrega no nome.”


O que é o projeto Uniforça?
  • Kelly Lopes / Fotos: Cedidas 


reportar erro