Rede aleluia
O que as atitudes de Nicole Kidman e de Michelle Bolsonaro têm em comum
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 9 de Dezembro de 2021 - 01:30


O que as atitudes de Nicole Kidman e de Michelle Bolsonaro têm em comum

Ambas foram criticadas por haters, mas disseram que não desistiram de seus planos e convicções. Atitude traz reflexão sobre a forma como reagimos aos comentários de ódio

O que as atitudes de Nicole Kidman e de Michelle Bolsonaro têm em comum

Em uma entrevista recente ao programa americano Live with Kelly and Ryan, a atriz Nicole Kidman disse que recebeu uma enxurrada de críticas após ser convidada para fazer o papel da atriz Lucille Ball, considerada uma das grandes estrelas de Hollywood, e muitas delas foram extremamente maldosas. “Eu pensei até em recusar o convite porque todo mundo pensou que eu não era a pessoa certa para o papel”, revelou.

Os fãs de Ball se negaram a aceitar a atriz, porém os produtores do filme afirmaram que Nicole era a pessoa certa para a vaga. Hoje ela diz que se orgulha por não ter se deixado levar pelos comentários negativos e desistido do trabalho.

Aqui no Brasil, não faz muito tempo que a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, foi alvo de uma série de julgamentos e chacotas após ter comemorado a aprovação do novo ministro do STF, André Mendonça. No vídeo, ela fica eufórica, agradece a Deus pela conquista e chega a falar em línguas.

Em resposta às piadas sobre sua postura, Michelle disse que o estado é laico, mas que ela é cristã e não vai mudar isso. “Usarei 1 Coríntios 2:10-14 para responder a intolerância religiosa e o desamor de muitos a meu respeito, por celebrar a vitória do meu irmão em Cristo André Mendonça”, escreveu em seu Instagram.

Quem pediu?

De qualquer forma, o que vemos em comum nas duas situações é que as pessoas perderam o respeito umas com as outras. Você pode até não concordar com a reação da primeira-dama ou achar que Nicole Kidman não é boa atriz, mas há uma grande diferença entre discordar e ofender.

Estamos vivendo uma realidade que, mesmo sem entender sobre o assunto, o indivíduo quer dar a sua opinião. Nesse cenário, muitos chegam a criticar outros apenas para se autoafirmar ou se colocar em uma posição superior.

Normalmente quem faz isso não tem nenhum conhecimento sobre o que fala e, por isso, a melhor maneira de reagir é não se deixar levar pelas palavras de ódio.

Quem opina a torto e a direito, sem se preocupar com as consequências das palavras, não merece atenção. Muitas coisas que pensamos não precisam ser ditas, então, por isso, é preciso ter cautela na hora de emitir uma opinião e sempre pensar antes de falar: alguém me perguntou?

Críticas inúteis

Outro ponto em comum é que ambas não desistiram por causa das críticas. Nicole não renunciou ao seu papel e Michelle não negou sua crença. E é exatamente assim que devemos reagir aos haters da atualidade, ignorando-os e seguindo firmes em nossos propósitos pessoais.

Não se pode guiar a vida pelo que as pessoas pensam, fazer isso é fracasso na certa. Por isso, é preciso ter autoconhecimento e amor-próprio, caso contrário, depender da aprovação alheia será comum e fatal.

Recebemos críticas e sugestões a todo tempo, porém, cabe a nós filtrar o que vai, ou não, agregar.


O que as atitudes de Nicole Kidman e de Michelle Bolsonaro têm em comum
  • REFLETINDO SOBRE A NOTÍCIA POR ANA CAROLINA CURY | Do R7 / Fotos: montagem/reprodução (Alan Santos/PR) 


reportar erro