Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 17 de setembro de 2018 - 12:10


O que acontece se eu não votar?

Saiba a resposta para uma das perguntas mais realizadas em período eleitoral

O maior site de buscas da internet, o Google, lançou recentemente uma página especial dedicada às pesquisas a respeito de voto e eleições no Brasil. Nela é possível ver quais são as maiores tendências de buscas entre os usuários.

“O que acontece se eu não votar?” está entre as principais perguntas pesquisadas. Em entrevista ao Brasil Notícias – programa da Rede Aleluia, apresentado pelos jornalistas Ana Carolina Cury e Décio Caramigo – o cientista político e professor do departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal de Rondônia, João Paulo Viana detalhou quais são as consequências burocráticas para quem não vota e não justifica a ausência.

“O eleitor que não vota e não justifica o seu voto pode sofrer uma série de consequências que vão desde o impedimento de tirar a carteira de identidade e o passaporte e, consequentemente, viajar ao exterior, até ser impedido de tomar posse em um concurso público, não receber salário do emprego público ou da função pública que exerce, não ser nomeado para um cargo comissionado em uma instituição pública. Também eu citaria aqui o impedimento de se matricular em instituições de ensino público.”

Além desses prejuízos, o eleitor que não vota dá espaço para outra pessoa escolher por ele. E o especialista ressaltou também que os votos brancos e nulos não podem invalidar uma eleição:

“É importante frisar isso porque parte dos cidadãos imagina que 50 por cento mais um de votos brancos ou nulos numa determinada eleição anula o pleito. Isso é falso. O que é contabilizado de fato são os votos válidos”, enfatizou.

O cientista político reforçou que o voto é a melhor ferramenta para melhorar um país. E ressaltou, ainda, a importância de participar do processo eleitoral no dia 7 de outubro:

“O voto é uma das grandes armas que o eleitor tem para o exercício da cidadania. Então, é imprescindível que ele exerça o seu direito. O voto para eleger representantes ainda é de vital importância dentro do processo político democrático. É importante ressaltar que procurar conhecer o candidato ainda é a melhor forma de optar por um determinado político no processo eleitoral. ”

(*) Com informações do programa Brasil Notícias, da Rede Aleluia


  • Redação / Imagem: iStock 


reportar erro