Rede aleluia
O problema de Jacó não era a ameaça de Esaú
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 22 de Junho de 2021 - 17:04


O problema de Jacó não era a ameaça de Esaú

Se Esaú tivesse morrido, resolveria o problema de Jacó? Descubra

O problema de Jacó não era a ameaça de Esaú

Jacó ficou longe de casa por 20 anos, mas ainda estava viva em sua memória a ameaça de morte do irmão. Mas se Esaú já tivesse morrido, não haveria mais perigo. Neste caso, Jacó teria finalmente encontrado a paz? O Bispo Renato Cardoso respondeu a esta pergunta durante encontro no Templo de Salomão, no último domingo.

“Não, afinal, ele sabia que tinha enganado o pai, mentido e tudo que recebeu foi a custo de fraude. Ele trazia dentro de si culpa, angústia, medo. Mesmo rico, com família, ele não tinha paz, pois sabia que dentro de si era enganador. Logo, mesmo se Esaú tivesse morrido, e com ele a sua ameaça, os problemas de Jacó não seriam resolvidos”, explicou.

Em outras palavras, o problema de Jacó era ele mesmo. Sua situação só seria diferente se o Altíssimo o transformasse em uma nova criatura, o que aconteceu no Vau de Jaboque, que em hebraico significa ‘esvaziar-se’.

“Ali, ele passou tudo o que tinha, ou seja, se esvaziou de tudo e travou a maior luta da sua vida. Ele já era rico, tinha tudo materialmente, mas faltava a paz, a mudança interior. O seu grande problema era o seu eu. Ele precisava mudar e ser uma nova pessoa. Foi a marca da mudança, ele teve um encontro com Deus”, disse.

Aprenda com a experiência de Jacó

A verdade é que todos têm um Jacó dentro de si. É a natureza humana e se dermos vazão a ela, fizermos tudo o que o coração pede e as inclinações desejam, faremos mal a nós mesmos e aos outros.

A luta de Jacó era contra ele mesmo, para vencer a insegurança, os medos e complexos. E para fazer dele uma nova criatura, Deus precisou que ele reconhecesse quem era e se esvaziasse de si. E Ele quer fazer o mesmo em você, morar no seu interior, para que você seja outra pessoa, formada à Sua Imagem e Semelhança. Esta é a proposta da Fogueira Santa no Vau de Jaboque”, falou.

Assista à reunião na íntegra:

Os encontros dominicais acontecem no Templo de Salomão às 7h, 9h30 e 18h. Você também pode ir à Universal mais próxima. Encontre o endereço aqui.


O problema de Jacó não era a ameaça de Esaú
  • Rafaella Rizzo / Foto: iStock 


reportar erro