Rede aleluia
O “ódio do bem” segue livre e solto e tem novo episódio
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 30 de Julho de 2021 - 18:05


O “ódio do bem” segue livre e solto e tem novo episódio

Um novo episódio estreou ontem, dessa vez, pelo crítico de cinema Pablo Villaça. Entenda

O “ódio do bem” segue livre e solto e tem novo episódio

Ontem mais um episódio do “ódio do bem” movimentou o perfil do twitter do crítico de cinema Pablo Villaça, que não esconde seu ódio e desprezo pelo presidente Jair Bolsonaro e família. Na publicação que rendeu centenas de críticas e apoios ele escreveu:

“Do fundo do meu coração – e é a PRIMEIRA VEZ NA VIDA QUE DIGO ALGO ASSIM – eu desejo tudo que há de pior para @jairbolsonaro e sua família. Desejo que ele adoeça, sofra muito (mas MUITO) e que, se possível, ainda veja os filhos presos antes de sucumbir à pior doença possível”.

Mas o ódio destilado pelo crítico não se restringe apenas ao Presidente e sua família, mas a todos que ‘ousam” apoiá-lo, seja quem for. Como podemos constatar em outro post:

“TODOS que apoiam esse governo de criminosos merecem ser atirados na lixeira da História. TODOS. TODOS. Se você tem parentes/amigos que ainda apoiam esse governo, CORTE. DA. SUA. VIDA. Eles merecem o ostracismo total. Merecem a solidão mais completa possível.”

 

Respeito ao diferente para a esquerda é uma via de mão única

Pois é, é impressionante como essas pessoas que promovem o discurso de ódio disfarçado de “liberdade de expressão” são as primeiras a levantarem a bandeira de “respeito ao diferente.”  Nunca se cultivou tanto ódio em forma de “luta pela democracia”. E nessa “luta” vale tudo. Inclusive desejar a morte do Presidente e dizer  que o Brasil só será livre quando o último Bolsonaro for enforcado nas tripas do último pastor da Universal.

A cada dia que passa, a esquerda fica mais intolerante com o divergente e tenta, sem sucesso, aniquilar seus opositores. Sendo assim, com eles não há diálogo, apenas um monólogo, onde só há “lugar de fala” para quem concorda com a cartilha ideológica.

Amor ao próximo? Depende!

Para a jornalista Patrícia Lages, não é de hoje que se constrói uma justificativa para separar os que merecem viver dos que devem morrer’. Todavia, a pergunta que fica é: por se tratar do Bolsonaro, isso é tolerável? A ala progressista que tanto prega amor, fraternidade e empatia, hora ou outra é pega praticando ódio, intolerância e discriminação.

Mas, a verdade é que a empatia e o amor ao próximo que essas pessoas pregam, na verdade, são destinados apenas a quem pensa como eles. Para eles, desejar a morte de alguém que pense diferente é justificável e a pluralidade de ideias deve ser extinta, com a vida do Presidente da República.

“Nessa sociedade onde as emoções são manipuladas, as pessoas são manipuladas. Você tem o direito de odiar certos grupos de pessoas e isso é lindo e aplaudido. Mas quando você odeia ou manifesta qualquer coisa contrária a outros grupos defendidos pela grande mídia, então você é um fascista”, destacou, recentemente, o Bispo Renato Cardoso.


O “ódio do bem” segue livre e solto e tem novo episódio
  • Redação / Foto: Istock 


reportar erro