Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 8 de abril de 2018 - 03:05


O dia a dia de quem trabalha no Templo de Salomão

Conheça o trabalho de quem ajuda a garantir a segurança dos visitantes no Santuário, em São Paulo

Não é somente a grandiosidade do Templo de Salomão, localizado no bairro do Brás, em São Paulo, que chama atenção dos visitantes. Tanto quem conhece o Santuário pela primeira vez como quem participa regularmente das reuniões que ali acontecem muitas vezes ficam admirados com o ambiente, com a organização, beleza, segurança e também com o tratamento que recebem enquanto estão no local. Isso é um reflexo do trabalho realizado pelos funcionários do Templo, em ações que envolvem diversos profissionais em diferentes áreas.

Infraestrutura

A Folha Universal conversou com alguns funcionários que, por meio do seu trabalho, ajudam a manter a imagem positiva do Templo de Salomão. Uanderson Sousa Cabral, de 31 anos, é um deles (foto abaixo). Cabral, como é chamado pelos colegas, começou como bombeiro. Antes de trabalhar no local, ele tinha desempenhado essa função em outros templos da Universal. “Já estive na Universal de Guarulhos, da João Dias, Vila Mariana e em outros locais, mas trabalhar aqui é diferente de qualquer outro lugar, por causa de sua dimensão. A infraestrutura e os recursos que temos aqui no Templo são grandes e por isso o cuidado, para que tudo corra bem, é ainda maior.”

Responsabilidade

Cabral está no Templo desde a inauguração e já foi promovido. “Sou técnico em segurança do trabalho e o encarregado dos bombeiros. Minha função é elaborar e orientar atividades de segurança para ajudar na preservação física de quem está dentro do Templo. Somos responsáveis pela parte de prevenção, combate a incêndios e primeiros socorros. São os bombeiros que prestam o primeiro atendimento quando há alguma ocorrência. Nossas atividades incluem a parte de pronto socorro, a assistência a quem tiver algum tipo de mal súbito, sofrer torções e quedas; e ainda da área da prevenção de acidentes. Acredito que nosso trabalho tem funcionado bem”, afirma.

Direção

Os bombeiros se revezam em escalas de 12 por 36 horas, divididos em vários horários. Durante 24 horas sempre há profissionais prontos para atender qualquer situação que possa ocorrer dentro do Templo. Entre eles está William Sales Morais, de 37 anos. Ele começou a trabalhar no Santuário antes mesmo da inauguração. “Eu era conferente bancário, mas, quando soube que o Santuário seria construído, falei para a minha esposa: ‘eu vou trabalhar lá’. Pesquisei quais eram as funções que tinham relação com as atividades dentro do Santuário e resolvi fazer o curso para bombeiro civil. Para mim foi Deus que me deu a direção”, declara.

Primeiros socorros

William (foto abaixo) é membro da Universal e detalha o dia da dia desse profissional no Templo. “Comigo são oito bombeiros que trabalham na prevenção e no combate a incêndios, atendimento de primeiros socorros e na análise de risco. Também estão sob nossa responsabilidade dar auxílio às pessoas com necessidades especiais, como os cadeirantes, atender os que sofrerem alguma queda pelas dependências do Templo ou ficarem preso em algum dos elevadores”, comenta.

Áreas de risco

Ele comenta que em algumas atividades de risco que envolvem outros profissionais há necessidade de apoio dos bombeiros. “Nós auxiliamos na checagem de equipamentos e no trabalho em altura, quando o pessoal da elétrica vai fazer a manutenção das luminárias externas; e na hora que os técnicos da hidráulica têm que descer no fosso para realizar limpeza e manutenção. Nesses casos, não é permitido que eles atuem sozinhos, pois podem ter uma vertigem ou um mal súbito. Por uma questão de segurança, nós vamos junto.”

Amor pelo que faz

Ele também tem ciência da importância do trabalho dele e de seus colegas, apesar de comentar que muitas vezes nem seja notado. “As pessoas ficam deslumbradas com o tamanho do Santuário, mas não imaginam que existe uma enorme equipe por trás de tudo para fazê-lo funcionar da melhor forma”, afirma William.

Ele finaliza dizendo o quanto ama atuar no Templo. “Trabalhar com o que você gosta, em um lugar que você ama não tem explicação. Para mim é a realização de um sonho.”


  • Por Eduardo Prestes / Fotos: Demetrio Koch  


reportar erro