Rede aleluia
O Altar não discrimina
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
Baln. CamboriúBlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 24 de Junho de 2022 - 21:34


O Altar não discrimina

Conheça a história de Jonatas Costa de Lima e saiba em que situação ele conheceu a Deus

O Altar não discrimina

O Altar não discrimina, e uma das maiores provas disto é a transformação de vida de Jonatas Costa de Lima, de 37 anos.

Situação:

Durante 34 anos, Jonatas dedicou sua vida em servir aos encostos, conta. Muito além de frequentar esse local, ele também ajudou a construir o espaço e contribuiu com o material para que fosse erguido.

Jonatas era fiel, relembra, e acreditava veementemente nas entidades, até que, um dia, precisou invocá-las em seu favor, mas não obteve resposta, pontua.

“Um dia, voltando para casa, sofri uma tentativa de assalto e acabei sendo alvejado por um tiro à queima roupa no rosto; enquanto sangrava, pedi às entidades que me ajudassem, mas não tive respostas”, relembra.

Detalhes:

Jonatas chegou ao hospital em uma situação muito crítica, os médicos fizeram de tudo para salvá-lo, mas após uma árdua luta, um deles decretou a sua morte.

“Ouvi o médico falar que não tinha mais o que fazer, que eu estava morto. Senti meu corpo como se estivesse caindo em um abismo, pessoas me puxando e muitos gritos. Então, ali clamei a Deus, o Deus que a minha esposa havia me falado; pedi a Ele que se me tirasse daquela situação, eu o serviria. Foi aí que abri os meus olhos e os médicos voltaram para me ajudar!”, relatou.

O mais recente:

Jonatas ficou internado na Unidade de Terapia Intensiva por três meses. Ao sair do hospital, garante, a primeira coisa que fez foi caminhar até a Igreja Universal mais próxima e agradecer a Deus pela dádiva da vida.

Hoje, Jonatas está totalmente curado e, como prometeu, serve a Deus de todo o coração.

Assista ao vídeo abaixo e acompanhe os detalhes desta história de fé:


O Altar não discrimina
  • Sabrina Marques / Foto: Reprodução 


reportar erro