Rede aleluia
Número de evangélicos aumenta no Brasil
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 30 de novembro de 2020 - 00:05


Número de evangélicos aumenta no Brasil

Mais do que quantidade, é preciso haver qualidade de fé. Entenda

Número de evangélicos aumenta no Brasil

A cada pesquisa divulgada constata-se que o número de cristãos evangélicos aumenta no País. De acordo com estudo do Datafolha, divulgado em janeiro de 2020, 31% dos brasileiros se declararam evangélicos. Em 2000 este número era 15,4% e em 2010 22,2%, segundo Censo Demográfico do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas).

O grupo também tem se tornado mais atuante na política e computa 107 dos 513 (21%) deputados federais. No senado, são 15 dos 81 (18,5%) ocupantes. Um levantamento do site Guiame, das últimas eleições municipais, mostrou que a cidade de São Paulo terá 25% das 55 cadeiras ocupadas por evangélicos.

Obras assistenciais e doações também são um braço forte desta parcela da população. Nem durante a pandemia do novo coronavírus, as igrejas e seus membros pararam de reunir alimentos, roupas, itens de higiene, entre outros, para entregar aos mais necessitados. Há pastores, por exemplo, que são capazes de tirar de si, para socorrer os que precisam de ajuda.

Para homenagear esta fatia da população, o dia 30 de novembro foi escolhido como Dia Nacional do Evangélico.

Leia mais: Na maior crise do século, fé é aliada importante para a saúde do corpo e da mente

Fé de qualidade

Contudo, parece ser uma moda se autointitular evangélico por simplesmente frequentar uma igreja. O Bispo Eduardo Bravo (foto ao lado), presidente da União Nacional das Igrejas e Pastores Evangélicos (Unigrejas), adverte que não adianta só a quantidade de evangélicos aumentar. Além disso, é preciso que todos tenham uma fé de qualidade.

“Se há um crescimento de evangélicos no País, então, obrigatoriamente, tem que ocorrer a diminuição da depressão, do suicídio, da violência familiar e dos vícios. Houve um crescimento de evangélicos, mas os índices de problemas também aumentaram”, adverte.

“Não nos interessa 60 ou 70 milhões de evangélicos. O que nós queremos é 60, 70, 90, 100 milhões de pessoas convertidas, lavadas no Sangue de Jesus, regeneradas pela Palavra e pela Obra do Espírito Santo”, acrescenta.

Saiba como surgiu o termo cristão evangélico.

É por isso que nasceu a Unigrejas: para colaborar com a qualidade do Evangelho no País. Atualmente, ela reúne mais de 30 mil pastores de diversas denominações, para ajudá-los com projetos que colaborem para o crescimento do evangelho (com qualidade) no Brasil e no mundo.


Número de evangélicos aumenta no Brasil
  • Rafaella Rizzo / Fotos: Rovena Rosa/Agência Brasil - Reprodução 


reportar erro