Rede aleluia
Neurociência comprova o papel da fé no tratamento de doenças
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 23 de Junho de 2022 - 13:42


Neurociência comprova o papel da fé no tratamento de doenças

Estudos indicam que a fé auxilia até a prevenir suicídios

Neurociência comprova o papel da fé no tratamento de doenças

De acordo com um artigo científico, a fé exerce influência sobre funções neurológicas cerebrais e pode auxiliar no tratamento de doenças. No estudo chamado “A perspectiva de um teólogo e de um neurocientista em relação a fé”, liderado pelo neurocientista Fabiano de Abreu, “é fato de que a fé pode exercer uma influência poderosa no comportamento humano”, afirma a pesquisa.

Por que isso é importante:

  • Em seu artigo o especialista afirma que na Organização Mundial da Saúde (OMS) o poder da fé é estudado desde os anos 1980 e estudos afirmam que ela influencia na saúde mental, física e biológica.
  • Ele também cita um estudo realizado na Suíça que analisou a influência da fé em pacientes que sofriam de esquizofrenia. Houve regulação de sentimentos e melhora no convívio social dos pacientes que exerciam práticas religiosas. Além disso, menor ocorrência de delírios e alucinações.
  • Outra prática muito comum é a oração, que já foi alvo de diversos estudos que apontaram influências positivas das preces no cérebro.
  • “A fé pode transformar […] é fato que a religião pode ser um fator preservador da vida podendo auxiliar o indivíduo a tratar uma patologia. Aqueles que seguem uma determinada religião, desenvolvem sentimentos e sensações de fé, esperança e bem-estar, quando praticados atos relacionados a sua religião”, concluiu o estudo.

O resultado da fé prática:

A fé não ajuda somente em tratamentos e a encarar momentos difíceis. Ela também traz a solução para doenças consideradas incuráveis para a medicina.

É o que mostra a história de Rose e de sua filha Raiane, que foi diagnosticada com uma doença crônica e degenerativa: a esclerose múltipla.

O maior desafio:

  • Rose já conhecia a fé, servia a Deus como obreira ao lado de sua família, quando enfrentou este grande desafio.
  • Ela diz que este foi o pior momento de sua vida, pois a filha apresentava diversos sintomas graves e diferentes.
  • “Ninguém podia me ajudar. Mas eu não aceitei aquela situação, eu servia um Deus Vivo que eu sabia que podia mudar a situação dela. Eu fiz um desafio e fui para o Altar”, conta Rose.

Veja no vídeo abaixo o que aconteceu em seguida:

O que fazer:

Se você ou algum familiar enfrenta um problema de saúde, venha nesta terça-feira buscar sua cura por meio da fé. As reuniões acontecem no Templo de Salomão, às 10h, 15h e 20h.

Ademais, você também pode ir à Universal mais próxima de sua casa. Encontre o endereço aqui.


Neurociência comprova o papel da fé no tratamento de doenças
  • Rafaella Rizzo / Foto: iStock 


reportar erro