Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 22 de maio de 2020 - 13:03


Não se entregue à depressão

Se você precisa de ajuda ou conhece alguém que esteja necessitando de uma orientação participe da reunião nesta sexta-feira

Recentemente, uma pesquisa coordenada pelo Instituto de Comunicação e Informação em Saúde (Icict), da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) constatou o aumento de sintomas depressivos e ansiedade, além da alta no consumo de cigarro e álcool, durante a pandemia do novo coronavírus.

Para chegar a esse resultado, o estudo contou com a participação de 44.062 pessoas em todo o País. Na oportunidade, os entrevistados responderam a um questionário on line, promovido entre 24 de abril a 8 de maio. Deles, 40% relataram se sentir tristes ou deprimidos e 54% ansiosos ou nervosos com grande frequência. A pesquisa mostra ainda que a taxa foi maior entre os 18 a 29 anos de idade, até 70% tiveram esses sintomas.

Além disso, com o levantamento percebeu-se que as mulheres se sentem mais deprimidas que os homens. Cerca de 50% delas se sentem tristes contra 30% deles. Outro dado relevante foi identificado: 28% dos fumantes aumentaram o consumo do cigarro em 6%, além de 18% dos entrevistados terem relatado o aumento do consumo de bebida alcoólica.

Depressão tem cura

Apesar de a pandemia ter afetado a saúde mental de milhares de pessoas em todo o mundo  por conta do isolamento social, a diminuição da renda das famílias entre outros problemas e acarretado diversos problemas, a depressão é um mal recorrente e que atinge milhares de pessoas todos os dias, há muito tempo.

Durante um vídeo postado nesta sexta-feira (22) no Instagram da Universal, o Bispo Renato Cardoso abordou sobre o perigo da depressão e o mais importante: explicou de que maneira esse mal pode ser resolvido. “Busque. Faça sua parte. Vamos lutar juntos. Não se renda e não se entregue à depressão”, salientou ele.

Você deseja buscar a cura para esse problema ou conhece alguém que esteja precisando de ajuda? Participe nesta sexta-feira da reunião Depressão Tem Cura, às 15h e às 20h, e busque a salvação para a sua alma.

Confira abaixo esse convite especial:


  • Redação / Foto: Getty Images 


reportar erro