Rede aleluia
Namoro online: quadrilha atraía, sequestrava e roubava homens
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 19 de Fevereiro de 2021 - 18:20


Namoro online: quadrilha atraía, sequestrava e roubava homens

Criminosos marcavam encontros românticos para extorquir vítimas

Namoro online: quadrilha atraía, sequestrava e roubava homens

A Polícia da Divisão Antissequestro, do Departamento de Operações Policiais Estratégicas (DOPE-SP) prendeu quatro pessoas envolvidas com o sequestro e a extorsão de inúmeros homens.

Duas mulheres da quadrilha eram responsáveis por atrair homens por meio de aplicativos de namoro e marcar encontro com eles. No encontro, porém, as vítimas eram sequestradas por homens armados, que os espancavam, roubavam e os obrigavam a transferir dinheiro via Pix.

Cerca de 30 policiais e 16 viaturas foram utilizadas na operação que, além das quatro prisões, também realizou 11 mandados de busca. A Polícia Civil ainda busca outros integrantes da quadrilha.

É verdade?

A popularização da internet e dos aplicativos de relacionamento tornou comum o encontro entre desconhecidos. Pessoas acreditam no que está sendo dito pela tela e correm o risco de se envolver em grandes riscos. Recentemente, na Austrália, duas crianças sofreram estupro coletivo após marcarem um encontro com dois rapazes que conheciam apenas pela internet.

Dessa vez, os casos que se tornaram públicos aconteciam na Zona Oeste de São Paulo e em Osasco (SP). Todavia, há milhares de outros registros de crimes praticados com o auxílio dos sites e aplicativos de namoro.

Isso acontece porque, pela internet, qualquer pessoa consegue mentir. É o que explicam os professores da Escola do Amor Responde:

“Geralmente as pessoas que vivem muito nesse mundo [de namoro virtual] tentam pintar no perfil delas a pessoa perfeita. É a foto mais bonita, de preferência editadas, coisas legais sobre elas, frases que as pessoas vão curtir. Ou seja: ela tenta mostrar o melhor.”

Todavia, raramente isso é verdade. O anonimato da internet dá vazão para que as pessoas possam mentir à vontade.

“Quem você conhece apenas pela internet é um estranho”, afirmam os professores. “Ninguém expõe os seus podres, a sua parte ruim, negativa, na vida virtual”.

Dessa maneira, ainda que o pretendente virtual não seja uma quadrilha de sequestradores, é quase certo de que não será aquela “par ideal” que aparenta ser nas mensagens trocadas.

Por isso, é muito importante que a pessoa tome cuidado com quem se relaciona. Utilizar as mídias sociais não é proibido, mas é necessário não se envolver com qualquer um. Tampouco utilizar as ferramentas online de maneira insegura.

“Quero Te Conhecer”: o aplicativo dos solteiros da Terapia do Amor

Os alunos da Terapia do Amor, que aprendem o amor inteligente, agora podem contar com uma ferramenta para ajudar a encontrar o par ideal, mas com um diferencial dos que são utilizados por aí. Clique aqui e confira essa novidade.


reportar erro