Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 25 de novembro de 2018 - 21:37


Nada a Perder: documentário sobre o Cinema Solidário

Documentário especial mostra os bastidores do projeto que levou o filme “Nada  Perder” a lugares carentes no Brasil

Em março de 2018, enquanto as telonas exibiam Nada a Perder: Contra Tudo. Por Todos”, filme biográfico brasileiro sobre a trajetória do Bispo Edir Macedo, da mesma forma, outras milhares de pessoas de comunidades carentes, ribeirinhas, presídios e unidades socioeducativas também tinham acesso à produção, graças ao projeto “Cinema Solidário”
Isso porque ônibus percorreram estradas de asfalto e de terra a fim de levar a superprodução aos lugares mais remotos do Brasil e da Argentina.
Foram seis meses de preparação e mais de 16 equipes de logística. Como resultado, mais de 500 mil famílias tiveram acesso ao conteúdo.
Além disso, as equipes do “Cinema Solidário” montavam e desmontavam as estruturas, para proporcionar uma experiência única aos telespectadores.

Bastidores do Nada a Perder

A fim de mostrar como tudo isso foi feito, um documentário sobre os bastidores do projeto “Cinema Solidário” foi exibido na última sexta feira (23), em um cinema do shopping Lar Center, zona norte da capital paulista, para alguns convidados.
O psicanalista e pesquisador Jacob Pinheiro Goldberg, que assistiu a sessão, afirma que o projeto é uma forma de democratizar o cinema no Brasil.
“O Cinema Solidário faz um cinema pé no chão, acessível em termos de cidadania e tem um caráter democratizante”, destacou o especialista.

Agnaldo Firmino Junior coordenou o Projeto Cinema Solidário no Brasil e também assistiu ao documentário. Ele garante que o trabalho foi árduo, porém, prazeroso.
“Encontramos pessoas que nunca tinham pisado em um cinema”, afirmou.

Cinema Solidário para quem está atrás das grades

Além de comunidades carentes, o projeto também levou o filme a unidades prisionais e socioeducativas.
O Bispo Eduardo Guilherme é responsável pelo trabalho evangelístico da Universal nos presídios. Para ele, levar o filme a quem está privado de liberdade é uma forma de dar esperança. 
“A maioria dos presos que assistiu ao filme disse que, se o Bispo Macedo conseguiu vencer, mesmo depois de uma prisão, eles também podem”, pontuou o Bispo.
O empenho semelhante vai acontecer para levar o filme Nada a Perder 2 às comunidades mais distantes do Brasil. Inclusive, esse documentário faz parte deste preparativo.


  • Rafaela Dias / Fotos: Demétrio Koch 


reportar erro