Rede aleluia
Mutirão nacional auxilia 8 mil caminhoneiros a enfrentar desgaste da profissão
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 23 de novembro de 2020 - 10:34


Mutirão nacional auxilia 8 mil caminhoneiros a enfrentar desgaste da profissão

Esta atividade tem o maior índice de mortes por acidente de trabalho no Brasil

Mutirão nacional auxilia 8 mil caminhoneiros a enfrentar desgaste da profissão

No dia 8 de novembro, o programa social Guardiões das Estradas realizou o mutirão mensal, em todos os Estados do País, que ajudou 8 mil caminhoneiros a superarem os desafios da jornada extenuante que a profissão deles impõe.

Dados do Ministério da Saúde apontam que os motoristas de caminhão exercem a atividade que, no Brasil, mais mata em decorrência de acidentes de trabalho. Foram 571 eventos que aconteceram em postos de serviço, terminais de carga e rodovias.

Serviços
Ao todo 4,4 mil voluntários dos Guardiões das Estradas participaram da ação. Eles montaram estruturas para oferecer, gratuitamente, atendimento jurídico, fisioterapia, aferição de pressão arterial, teste de glicemia, corte de cabelo e manicure. O evento nacional acontece, sempre, todo segundo domingo do mês.

Mutirão nacional auxilia 8 mil caminhoneiros a enfrentar desgaste da profissão

“Nosso objetivo é acolher os caminhoneiros, trabalhadores que passam a maior parte do tempo nas rodovias. Muitos permanecem longe de casa por várias semanas e até meses e têm de lidar com a solidão, os perigos das estradas e com as dificuldades para suprir suas necessidades básicas”, explica Edson Silva, responsável pelo programa social no Brasil.

Edson relata que “as aulas de fisioterapia, por exemplo, ajudam muito aqueles que sofrem com problemas na coluna, por causa das longas horas de trabalho”, e proporcionam mais qualidade de vida aos profissionais.

Outro serviço muito demandado pelos caminhoneiros nos eventos dos Guardiões das Estradas é o atendimento jurídico, com advogados voluntários tirando dúvidas sobre pensão alimentícia, assuntos relacionados ao direito do trabalho e contratos de prestação de serviço, entre outros temas.

Longe de casa
“Encontrei no pátio da Vila Sabrina, em São Paulo, os voluntários dos Guardiões das Estradas, que me fizeram o convite para participar de um evento. Fiquei muito feliz pela forma que fui recebido. Em meio às dificuldades da nossa profissão, encontrar todo esse carinho, tudo feito especialmente para nós, foi muito gratificante”, avaliou José Ailton, caminhoneiro de 35 anos, natural de Alagoas, que participou da ação organizada em um grande terminal localizado próximo à Rodovia Fernão Dias, na zona norte da capital paulista.

Doações
Além dos serviços, o programa social doou 8,3 mil lanches e 6,2 mil kits de higiene para os motoristas de caminhão. Todas as orientações e determinações do Ministério da Saúde e das autoridades sanitárias de cada localidade foram colocadas em prática nos eventos, para proteger a saúde de todos e evitar a propagação do novo coronavírus.

A frota brasileira de caminhões é de 1,941 milhão de unidades, segundo a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). Desse total, cerca de 703 mil veículos pertencem a caminhoneiros autônomos e 26 mil são cooperados. Os demais são de propriedade de empresas de transporte e logística.

De acordo com o Ministério da Saúde, em um período de dez anos, os caminhoneiros lideraram as mortes de trânsito relacionadas à profissão, representando 13% do total delas.


Mutirão nacional auxilia 8 mil caminhoneiros a enfrentar desgaste da profissão
  • UNICom / Fotos: Cedidas 


reportar erro