Rede aleluia
Mundo LGBT: Governo proíbe pais de protestarem contra ensino do tema
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 2 de dezembro de 2019 - 12:59


Mundo LGBT: Governo proíbe pais de protestarem contra ensino do tema

Especialista comenta sobre caso de escola primária inglesa

Mundo LGBT: Governo proíbe pais de protestarem contra ensino do tema

O Supremo Tribunal inglês proibiu que protestos contra o ensino LGBT sejam realizados em frente à escola primária de Anderton Park, na cidade Birmingham. Embora os protestos ocorridos tenham sido pacíficos, eles não serão mais aceitos.

De acordo com o juiz Warby Justice, a decisão foi tomada visando a saúde dos alunos e dos funcionários da escola. Conforme Justice declarou, os protestos que vinham sendo realizados tiveram “efeito adverso” nos envolvidos. Por isso, 21 professores foram diagnosticados com estresse e estão sendo tratados.

O Dr. Will Jones é matemático com doutorado em Filosofia Política e diploma em Estudos Bíblicos e Teológicos. Ele também é autor de “Teologia Social Evangélica: Passado e Presente”. Portanto, estudioso das relações que comunidades têm com religiões.

De acordo com ele, essa escola decidiu “ensinar em uma comunidade amplamente muçulmana um programa de educação em relações e igualdade com conteúdo contrário à fé islâmica (e bíblica). Sem surpresa, e compreensivelmente, os pais protestam”.

“Obviamente, as organizações precisam cuidar de seus funcionários, inclusive quando ficam estressados. Mas, se isso se torna um motivo para proibir protestos, então, o direito de protestar neste país simplesmente desapareceu”, afirma o escritor.

“Ensino LGBT desrespeita a própria lei”, afirma Dr. Jones

Conforme Dr. Jones destaca em coluna publicada no site Christian Today, a legislação inglesa determina que “em todas as escolas, ao ensinar essas disciplinas, o histórico religioso de todos os alunos deve ser levado em consideração ao planejar o ensino, para que os tópicos incluídos no conteúdo principal desta orientação sejam tratados adequadamente. As escolas devem garantir que cumpram as disposições relevantes da Lei da Igualdade de 2010, segundo a qual religião ou crença estão entre as características protegidas”.

Dessa maneira, explica o especialista, a escola de Anderton Park está desrespeitando a própria Lei. Afinal, o Alcorão – livro sagrado para os mulçumanos – é contrário ao programa de educação adotado.

E mesmo assim, em um país democrático, os pais foram proibidos de protestar.

“26 de novembro de 2019 será um dia sombrio para a liberdade neste país – um dia em que um estado cada vez mais autoritário, aparentemente fascinado por um lobby LGBT poderoso e intolerante, impediu os pais de ficarem do lado de fora da escola de seus filhos para deixar claro seu descontentamento com o que suas crianças estão sendo ensinadas”, conclui o doutor.


Mundo LGBT: Governo proíbe pais de protestarem contra ensino do tema
  • Redação / Foto: Getty Images 


reportar erro