Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 31 de outubro de 2018 - 19:36


Moda resgata jovens que cometeram crimes

Curso ensina menores infratoras sobre desfiles, comportamento social, postura e linguagem corporal

Aulas de moda e etiqueta estão sendo oferecidas gratuitamente para adolescentes que foram apreendidas pela prática de delitos, no Rio de Janeiro. É uma nova oportunidade para essas jovens, longe do crime. Ao mesmo tempo, a iniciativa ajuda a diminuir os gastos do governo fluminense, que chegam a mais de R$7 mil mensais para cada menor sob sua tutela.

O curso está sendo oferecido pelo programa social Universal Socioeducativo Brasil (USE) na Unidade de Internação Feminina do Rio de Janeiro, Cense Professor Antônio Carlos Gomes da Costa (PACGC).

As aulas são ministradas pela ex-modelo Débora Judges. Ela voltou recentemente da Itália e está ensinando às adolescentes tudo que aprendeu no mundo das passarelas internacionais.

“O objetivo é colocar a moda como ponto de partida. Elas aprendem como desfilar, sobre comportamento social, postura, linguagem corporal e autoconhecimento. Utilizo as mesmas técnicas que ensino para modelos de agências comerciais”, explica a voluntária.

As jovens participam do curso uma vez por semana e a previsão é que no final do ano aconteça um desfile de moda dentro da Unidade Socioeducativa.

Segundo o responsável pelo grupo no Rio de Janeiro, Pastor Ubirajara Valadão de Moraes, são oferecidas às menores, ainda, atividades esportivas e culturais, além de ações com os familiares deles para ajudar na reeducação.

Quanto vale um jovem infrator para o estado

De acordo com dados publicados pela Imprensa, cada menino ou menina custa aos cofres públicos do estado R$7.580.

Para o coordenador do USE, Pastor Ulisses Gomes, quando se investe no trabalho de ressocialização, o número de menores que reincidem no crime é bem menor.

 “Só este ano, ajudamos na ressocialização de mais de mil jovens”, concluiu ele.

Início do trabalho social  

O grupo Universal Socioeducativo Brasil foi criado em 1988, nos estados de São Paulo e do Rio de Janeiro. Em março de 2017, o programa social passou a atuar em todo o país para ajudar na recuperação de adolescentes em conflito com a lei.

A USE tem como prioridade levar ações socioeducativas a jovens que foram apreendidos pela prática de crimes. Os trabalhos incluem apoio social e psicológico, cursos, palestras, entretenimento cultural e esportivo. Além disso, o programa oferece suporte jurídico, orientação e almoço aos familiares desses adolescentes.

Neste ano, quase 40 mil pessoas foram beneficiadas pelo grupo, entre eles jovens internos, os familiares deles e funcionários das unidades socioeducativas.


  • Unicom / Fotos: Cedidas 


reportar erro