Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 20 de janeiro de 2020 - 12:41


Mito: Maconha não ajuda a acabar com vício em cocaína

Estudo da USP comprova que essa informação é mentira

Uma mentira percorre muitos tratamentos contra dependência química há quase três décadas: a de que fumar maconha pode auxiliar na diminuição do vício em cocaína e crack. Um estudo realizado pela Universidade de São Paulo (USP) acaba de comprovar que não é verdade.

O estudo envolveu 123 pessoas, entre dependentes químicos e não dependentes do grupo de controle. Todos foram acompanhados durante meses. No primeiro mês, estiveram internados em uma clínica de reabilitação. No segundo mês, os pacientes foram divididos entre os que fumavam maconha “para amenizar a falta das outras drogas” e os que não fumavam. O resultado foi o seguinte:

maconha

Como pode ser visto no gráfico, a longo prazo as pessoas que estão consumindo a maconha tendem a ter mais dificuldade para manter a abstinência. Ademais, os usuários apresentaram piora em capacidades cognitivas, como atenção e memória.

Um dos autores do artigo, o professor da pós-graduação em psiquiatria da Faculdade de Medicina da USP Paulo Jannuzzi, declarou À BBC: “Ficamos mais ou menos 20 anos com a ideia, com estudos pouco definidos e controlados, de que a maconha poderia fazer bem [no tratamento da dependência em cocaína]. Alguns grupos e terapeutas chegavam a sugerir o uso de maconha para pacientes dependentes de cocaína sem a validação científica”.

Como ressalta o estudo, não há tratamento farmacológico aprovado para o tratamento da dependência de cocaína.

O Entrelinhas do último domingo (19) trouxe um debate sobre dependência química. Nele, o Bispo Renato Cardoso explicou porque – como afirma o estudo da USP – não há tratamento farmacológico para dependentes químicos:

“Muitas vezes os programas sociais, as tentativas dos profissionais de lidar com o viciado, são limitados. Eles chegam até um ponto. E não conseguem passar desse ponto, não conseguem lidar com o problema real e causador do problema que é espiritual”.

De acordo com ele, “quando a pessoa trata o problema do vício no nível espiritual, somente aí ele pode ser definitivamente resolvido. É por isso que se diz ‘não tem cura’. Porque, humanamente falando, não tem cura. Você não pode tratar o vício humanamente falando se a origem dele é espiritual. Mas, quando se trata no espiritual, se tem a cura.”

Você pode assistir ao Entrelinhas completo no Univer Vídeo. Clique aqui e tenha acesso à íntegra do programa.

Outro mito: fumar maconha faz bem para alguns enfermos

Nos últimos anos tem-se espalhado a falsa informação de que algumas doenças, como transtornos de ansiedade e esclerose múltipla, são mais bem combatidas quando o paciente fuma cigarros de maconha. Isso não é verdade.

maconhaO mesmo estudo da USP citado acima ressalta que ele tem efeitos negativos em funções neurocognitivas.

O uso da erva é associado a déficits na atenção, memória e aprendizado verbal. Ademais, o uso recorrente pode desencadear psicose e outros danos cerebrais.

Outro problema causado pelo fumo é a maior probabilidade no desenvolvimento de câncer em órgãos dos sistemas respiratório e digestivo.

Por fim, como a maconha é proibida no Brasil, seu uso só pode acontecer com financiamento ao tráfico. Além de fortalecer o crime organizado, o dependente está comprando um produto que não é confiável. Quase sempre há venenos – como os encontrados em cigarros de nicotina ilegais.

O que realmente cura

Renata não sabia disso e acreditava realmente que a maconha poderia auxiliá-la no tratamento de sua ansiedade.

“Eu tinha crise de ansiedade e eu achava que a maconha era meu remédio”, afirma. “Então eu acordava fumando e dormia fumando. Acordava de madrugada para fumar. No trabalho eu fumava em horário de almoço. Era o tempo inteiro no vício”.

Evidentemente a droga não auxiliou em nada sua saúde. Pelo contrário: se havia algum alívio ao fumar, era porque ela se tornara uma dependente química. Foi só quando se libertou do vício que seus problemas de saúde foram curados. Veja como isso aconteceu no vídeo abaixo:

Se você também tem problema com o uso de drogas, faça como Renata e procure a única cura real. Clique aqui e saiba onde acontece o Tratamento Para a Cura dos Vícios.


  • Andre Batista / Fotos: Getty Images 


reportar erro