Rede aleluia
Ministério Público de Portugal arquiva inquérito que investigava supostas adoções ilegais na Universal
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 18 de maio de 2019 - 18:33


Ministério Público de Portugal arquiva inquérito que investigava supostas adoções ilegais na Universal

Investigações desmentiram depoimentos de supostos pais biológicos de crianças que teriam sido adotadas ilegalmente por Bispos e Pastores. Entenda

Ministério Público de Portugal arquiva inquérito que investigava supostas adoções ilegais na Universal

O Ministério Público de Portugal arquivou o inquérito que investigava uma suposta rede ilegal de adoção de crianças, mantida pela Universal, em 1990. A informação foi confirmada pela Procuradoria-Geral de Portugal, neste sábado.

O inquérito havia sido instaurado em 2017, após uma série de reportagens da rede de televisão TVI, ser exibida, onde fazia falsas declarações a respeito de adoções de crianças.

Todas as reportagens foram articuladas pelo ex-Bispo da Universal, Alfredo Paulo, que participou da série como uma das fontes.

Reportagens mentirosas

Durante as reportagens, supostos pais biológicos alegavam terem sido enganados para que seus filhos pudessem ser adotados na igreja. Uma acusação caluniosa que, de acordo com o despacho de arquivamento do inquérito, foi desmentida durante a investigação.

Além disso, os supostos pais declararam não ter assinado qualquer documento para adoção das crianças. Contudo, a investigação também provou o contrário, “foi igualmente desmentido por parte das restantes diligências de prova” reiterou o juiz no despacho.

Nenhum pai nunca havia apresentado, nem sequer uma queixa contra a Universal, antes das reportagens exibidas pela TVI, o que também foi ponderado pelo judiciário português “não houve notícia de qualquer pai ou mãe biológica que tivesse junto de qualquer entidade pública apresentado queixa pelo desaparecimento de qualquer criança ou da impossibilidade de aceder a qualquer criança”, diz.

As acusações diziam que crianças abrigadas no Lar Universal, que era mantido pela Universal na década de 1990, teriam sido raptadas, levadas ao Brasil e aos Estados Unidos para serem adotadas ilegalmente por Bispos e Pastores.

O que muito impressiona é uma rede de televisão com mais de 20 anos de existência acreditar em mentiras de um ex-Bispo, que responde por diversos processos e possui um histórico desonesto, e exibir uma série de Fake News, subestimando a inteligência de seus telespectadores e do judiciário do país.

Entretanto, mais uma vez, acusações infundadas, partindo de um ex-Bispo, expulso da Universal por adultério e roubo, não prevaleceram à verdade. Mais uma vez a justiça desmentiu Alfredo Paulo e seus aliados que, movidos pela intolerância e desejo de manchar a imagem da Universal, se prestaram a uma atitude questionável, criminosa e mentirosa.


Ministério Público de Portugal arquiva inquérito que investigava supostas adoções ilegais na Universal
  • Rafaela Dias / Foto: iStock 


reportar erro