Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 8 de julho de 2018 - 03:05


“Minha vida era dormir e usar droga”

Adriano Costa consumia cocaína e sofria ameaças de morte por conta de dívidas com o tráfico. Tudo mudou depois que ele levou cinco tiros à queima-roupa

O técnico em enfermagem Adriano Costa, de 35 anos (foto a dir.), não imaginava o quanto a escolha das amizades, ainda na adolescência, impactaria a sua vida. Aos 19 anos, os amigos lhe ofereceram maconha e cocaína.

No início, ele usava cocaína uma vez por mês. Com o decorrer do tempo, passou a usar todos os dias. “Eu tive oportunidade de entrar na faculdade, mas abri mão. Eu trabalhava e o que recebia gastava em drogas. Perdia todas as oportunidades”, relata.

O vício o fez roubar o dinheiro dos pais e pegar pertences de casa para comprar o entorpecente. “Perdi a vontade de trabalhar. Minha vida se resumia em dormir e usar droga.”

A família não aguentava mais o vício de Adriano e decidiu interná-lo em uma clínica para dependentes químicos. Depois de três meses na clínica, ele retornou para casa. Contudo, em menos de uma semana, voltou a usar drogas.

A família achou que mandar Adriano para outro Estado, para que morasse com parentes, seria a solução. Ele foi para Sergipe, mas não adiantou. “Como eu não tinha mais condições financeiras de sustentar o vício, decidi entrar para a criminalidade, para conseguir comprar cocaína.” O vício o dominou de tal maneira que ele consumia três vezes mais do que o dinheiro que conseguia para pagar a droga.

Ele se endividou com traficantes e passou a receber ameaças de morte. Um dia, ao sair de casa, foi atingido com cinco tiros à queima- roupa por uma pessoa que passou em uma moto.

Os projéteis atingiram pulmão e intestino e uma das balas ficou alojada próxima à coluna. Adriano ficou cinco dias em coma. “Quando acordei e vi minha mãe em Sergipe, para me visitar, lembrei das orações e convites que ela fez para que eu fosse à Igreja”, diz. Sua mãe já frequentava a Universal há anos, mas ele sempre recusava seus convites.

Ele passou três meses internado. Logo que saiu do hospital, decidiu que não queria mais aquela vida. Sua mãe o levou para a Igreja ainda em Sergipe e ele recebeu auxílio dos pastores e obreiros. “A postura da minha mãe, que sempre acreditou em mim em vez de me julgar, foi o que me deu forças para mudar. Não foi fácil, mas perseverei pela minha libertação”, conta.

Ele se libertou das drogas e investiu na carreira na área de saúde. Hoje é um profissional bem-sucedido, vive feliz e com a paz tão desejada.


  • Por Michele Francisco / Fotos: Cedidas 


reportar erro