Rede aleluia
“Minha ideia da Universal era de que tomavam o que o povo não tinha”
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
Baln. CamboriúBlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 14 de Agosto de 2022 - 00:05


“Minha ideia da Universal era de que tomavam o que o povo não tinha”

Tatiane estava cercada de falsas notícias que influenciaram sua vida e a atrapalharam na busca pela paz interior

“Minha ideia da Universal era de que tomavam o que o povo não tinha”

Dentre as muitas notícias que chegaram à psicóloga Tatiane, de 28 anos, sobre a Universal, uma a marcou: “aconteceu um evento em que muito dinheiro foi arrecadado. Ele foi realizado em um estádio e a notícia afirmava que os sacos pretos tinham o dinheiro dos fiéis que a Universal roubava. Minha ideia da Universal era de que tomavam até o que o povo não tinha para dar”.

O pensamento dela, que sofria influência do trabalho da parte mentirosa da mídia, era que o Bispo Edir Macedo manipulava as pessoas e fazia lavagem cerebral nelas. Ela diz que, quando soube que ele tinha sido preso, sentiu que a Justiça tinha sido feita: “o povo tem sede de Justiça. Houve um desejo público de que a prisão do Bispo ocorresse”.

Ela lembra de ter olhado e julgado toda a situação, mas se lembra também de que não olhava para si mesma: “minha vida estava destruída. Eu tinha problemas na família, complexo de inferioridade, era uma pessoa negativa e incapaz. Eu era amarga e cheguei a desejar a morte”.

Paz inabalável
Ao conhecer seu atual marido, Mateus, Tatiane notou algo diferente nele.

“Ele me transmitia o que sempre busquei, pois tinha caráter e respeitava as pessoas”.

Foi Mateus quem convidou Tatiane para conhecer de perto a Universal.

“Quando ele me chamou, eu disse: ‘tem que ser nessa igreja?’ Eu fui armada para a reunião, ou seja, fui com um prejulgamento”.

Mesmo ressabiada, Tatiane usou a inteligência e concluiu que, ao contrário do que as notícias falsas alardeavam, o foco principal não era financeiro, mas na vida espiritual de cada pessoa e em transmitir a Palavra de Deus. Ela diz que percebeu que o pastor tinha o intuito de salvar a sua alma. Além disso, entendeu a necessidade de entregar sua vida a Deus.

Hoje ela tem um casamento abençoado e a paz que sempre buscou: “tudo é passageiro, menos essa paz que só o Espírito Santo pode dar. Aprendi muitas coisas na faculdade, mas só a Fé foi capaz de solucionar todos os meus problemas”, finaliza.


“Minha ideia da Universal era de que tomavam o que o povo não tinha”
  • Kaline Tascin / Foto: Reprodução 


reportar erro