Rede aleluia
Mentiras da TVI são expostas por documentos de tribunal português
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 19 de dezembro de 2017 - 02:00


Mentiras da TVI são expostas por documentos de tribunal português

Igreja Universal exigiu Direito de Resposta e processará emissora de TV

Mentiras da TVI são expostas por documentos de tribunal português

A Igreja Universal do Reino de Deus tem sido vítima de um ataque midiático sem precedentes.

A TVI, emissora de televisão de Portugal criada por grupos ligados à Igreja Católica (*) , tem se utilizado, sem qualquer pudor, da manipulação de entrevistados e da ocultação de provas para veicular fantasias e mentiras.

As autoras desta barbaridade, jornalistas ávidas por mais um espectador, mais um clique, que se aproveitaram de mulheres fragilizadas e atormentadas pelo passado como mães que perderam a guarda de seus filhos, estão produzindo a mais nefasta e vergonhosa página do Jornalismo praticado em Portugal.

Ao mesmo tempo, deram palanque a escroques que, no passado, não honraram a missão Divina que receberam.

A TVI repete à exaustão que os pais são vítimas porque não foram citados no processo judicial que avaliava a adoção de três irmãos acolhidos no Lar. É mentira. Nos autos da ação consta que eles foram legalmente informados do curso do processo.

A série de reportagens também descreve a mãe como exemplar. Na verdade, foi constatado pelo Tribunal que, enquanto as crianças viveram com os pais biológicos, moravam em uma casa sem móveis, suja, sem eletricidade e sem condições mínimas de habitabilidade e não recebiam os cuidados mínimos de saúde e alimentação.

Também consta no processo que avaliava a adoção que os pais biológicos dos irmãos citados eram viciados em drogas e que abandonaram os filhos na casa de uma ama.

A reportagem também mentiu ao afirmar que os irmãos viajaram aos Estados Unidos ilegalmente. Na verdade, a autorização judicial para a viagem também consta do processo de adoção.

Todas estas informações constam de documentos que integram o processo nº 322/2001 do Tribunal de Família e Menores de Lisboa. A emissora preferiu criar um enredo de novela para iludir seus telespectadores.

Não foi a Igreja Universal que entregou as crianças à Assistência Social.

Não foi a Igreja Universal que retirou a guarda das crianças, mas sim a Justiça de Portugal.

Não foi a Igreja Universal que analisou os pedidos de adoção das crianças, mas sim a Justiça de Portugal.

A Igreja Universal mantinha um Lar que acolhia crianças em situação de risco encaminhadas por hospitais, pela Assistência Social, pela Polícia e pela Justiça.

Exigiremos que sejam apuradas as responsabilidades por esta tentativa de assassinato da reputação da Igreja Universal do Reino de Deus e que os responsáveis sejam exemplarmente punidos pela Justiça.

Assista ao vídeo abaixo e confira a verdade sobre as acusações sem fundamento que estão sendo feitas pela emissora portuguesa contra a Universal:


(*) Fonte: https://www.infopedia.pt/$televisao-independente-(tvi)


Mentiras da TVI são expostas por documentos de tribunal português
  • UNIcom 


reportar erro