Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 17 de maio de 2020 - 00:05


Medo e razão não andam juntos

A pandemia do novo coronavírus está levando muitos pacientes a um dilema. Com medo de contrair a Covid-19, muitas pessoas estão deixando de procurar prontos-socorros e hospitais. Diante do risco de contaminação pelo vírus, alguns preferem deixar os tratamentos médicos para depois. Entretanto há casos de emergências que oferecem maior risco de morte caso o paciente não tenha um atendimento adequado. O infarto, por exemplo, é a principal causa de morte no Brasil e no mundo e precisa de atendimento rápido.

Nesse sentido, o brasileiro que está sentindo algum desconforto de saúde precisa enfrentar dois medos: o de ir ao hospital e correr o risco de ser contaminado pelo coronavírus e o de ficar em casa e correr o risco de morrer sem atendimento adequado. Nos Estados Unidos, um levantamento feito pelo site angioplasty.org mostrou que o número de pessoas que morreram em casa de ataque cardíaco em Nova York, entre 30 de março e 5 de abril, foi 800% vezes maior do que no mesmo período de 2019. O site indica que muitos deles poderiam ter sido tratados prontamente e as pessoas seriam salvas, embora não se saiba se os episódios tiveram relação ou não com o coronavírus.

Segundo o Ministério da Saúde do Brasil, o infarto é uma emergência que exige cuidados médicos o mais rapidamente possível. Por isso, mesmo durante a pandemia, os brasileiros precisam ficar atentos. Os sintomas incluem dor ou desconforto na região peitoral, que pode irradiar para as costas, o rosto e o braço esquerdo. Além disso, as vítimas de infarto costumam ter suor frio, palidez, falta de ar, sensação de desmaio e dor no abdome semelhante à dor da gastrite. De houver mal-estar súbito, ligue para o Serviço de Atendimento Médico de Urgência (SAMU – 192), Bombeiros (193) ou procure imediatamente um hospital para avaliação clínica detalhada.

O acidente vascular cerebral (AVC) é outra situação que exige atendimento rápido. Ele acontece quando vasos que levam sangue ao cérebro entopem ou se rompem, provocando a paralisia da área cerebral que ficou sem circulação sanguínea. Os sintomas incluem fraqueza ou formigamento na face, no braço ou na perna, especialmente em um lado do corpo; confusão mental; alteração da fala ou da compreensão; alteração na visão, no equilíbrio, na coordenação ou no andar, tontura; dor de cabeça súbita, intensa e sem causa aparente.

Assim como no caso de infarto, quanto mais rápido for o atendimento, maiores são as chances de sobrevivência e recuperação total.

O fato é que, além do novo coronavírus, o mundo continua a enfrentar outras doenças graves, como o câncer, problemas cardíacos e até o sarampo, cujos casos continuam a crescer no Brasil. No caso do câncer, já há diminuição da procura de pacientes por exames e tratamento. O Hospital A. C. Camargo Cancer Center, unidade de referência no tratamento da doença em São Paulo, registrou queda de até 87% no número de exames para novos diagnósticos entre abril deste ano e o de 2019. Também houve diminuição de 50% a 80% no número de consultas feitas por médicos especializados em oncologia no mesmo período. A maior redução foi registrada entre pacientes de câncer de mama e de tumores urológicos.

O medo é um mecanismo importante para os seres humanos, pois nos ajuda a enfrentar adversidades e a identificar perigos. Entretanto, no caso desta pandemia, o medo precisa ser equilibrado com racionalidade, informações científicas, bom senso e o apoio de médicos e especialistas no assunto.

Por isso, para situações de saúde, avalie o contexto, consulte um médico e, em caso de emergência, procure um serviço de saúde ou ligue para o telefone 193. Emergências cardíacas, AVC e até acidentes domésticos podem levar à morte se não houver atendimento rápido e adequado.

Mas vale o aviso: para minimizar os riscos de contaminação, todos os brasileiros devem usar máscara ao sair de casa, manter distância de outras pessoas r evitar lugares fechados com aglomeração.

Além disso, lavar as mãos com água e sabão e usar álcool 70% são hábitos que precisam ser incorporados à nossa rotina, mesmo depois que a pandemia for controlada.


  • Redação / Foto: Getty Images 


reportar erro