Rede aleluia
“Me faltou humildade para pedir ajuda e eu me perdi”
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 8 de Maio de 2022 - 00:05


“Me faltou humildade para pedir ajuda e eu me perdi”

A falta de maturidade levou Alexandro a cometer um erro, se afastar da igreja e fazer coisas inimagináveis

“Me faltou humildade para pedir ajuda e eu me perdi”

Alexandro de Jesus, de 40 anos, chegou à Universal ainda jovem e se dedicou tanto à sua fé que se tornou obreiro, inclusive, casando-se também com uma obreira.

A felicidade do casal, porém, durou apenas sete anos. Com o relacionamento desgastado, eles se afastaram até mesmo de sua fé. “Por falta de maturidade, não procuramos a ajuda do pastor para nos orientar”, recorda Alexando. “Eu não soube lidar com isso e reconheço que me faltou humildade para pedir ajuda e eu me perdi, ao ponto de trair minha esposa”.

Por causa da traição, ele entregou seu uniforme de obreiro e se separou. Logo estava totalmente afastado da fé. A princípio, ao se afastar, ele sentiu uma sensação de bem-estar, mas logo isso mudou. Ele passou a beber, fumar e usar outras drogas como crack, cocaína e maconha.

“O pior momento foi quando eu estava em um relacionamento onde havia muitas brigas e desentendimentos. Acabei agredindo ela e fui preso”, revela Alexandro. retorno à sua casa

No presídio, só havia uma coisa a fazer: refletir sobre o que tinha feito com sua vida. Foi onde ele se lembrou dos valores e ensinamentos que aprendeu quando estava na Presença de Deus.

Alexandro percebeu que aquela situação era sua responsabilidade. “Lá dentro eu tomei um choque e reconheci que fiz tudo errado. Decidi voltar quando ainda estava dentro da prisão e até comecei a pregar a Palavra de Deus para aqueles que estavam na cela comigo”, lembra.

Quando finalmente foi liberto, a Igreja foi seu primeiro destino, após 6 anos afastado. “Deus me mostrou que eu tinha que voltar à prática do primeiro amor e reconhecer meus erros para me
reerguer espiritualmente”.

Alexandro foi liberto dos vícios, montou seu próprio negócio e teve sua vida restaurada por completo, voltando a servir a Deus como obreiro. Hoje, ele faz questão de enfatizar: “não abandono Deus por nada, nunca mais”.


“Me faltou humildade para pedir ajuda e eu me perdi”
  • Laís Klaiber / Foto: reprodução 


reportar erro