Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 18 de maio de 2020 - 23:48


Marinha e USP desenvolvem respirador nacional

Objetivo é produzir 50 por dia e distribuir aos hospitais

A Marinha Brasileira, em parceria com a Universidade de São Paulo (USP), desenvolveu um ventilador pulmonar que deve ser disponibilizado aos hospitais nas próximas semanas.

O projeto foi desenvolvido pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli) e pelo Centro Tecnológico da Marinha em São Paulo (CTMSP). Cada aparelho pode ser produzido em duas horas, com tecnologia nacional.

Outra vantagem é o custo: apenas R$ 1.000. Um aparelho como esse tem preço de mercado de R$ 15 mil, mas, durante a pandemia, a China (principal produtora) está vendendo por valores astronômicos. O estado de São Paulo, por exemplo, pagou cerca de R$ 180 mil por cada unidade – 180 vezes o valor do respirador produzido pela Marinha.

O aparelho, batizado como “Inspire”, já passou por testes com quatro pacientes no Instituto do Coração do Hospital das Clínicas. Os resultados foram excelentes.

Neste momento, os últimos ajustes técnicos estão sendo realizados. A seguir, o aparelho será avaliado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que regula aparelhos médicos no país.

A Anvisa já informou que dará prioridade ao Inspire e, se o ventilador pulmonar atender às exigências, será liberado para produção em, aproximadamente, 20 dias.

Os produtores informaram que pretendem produzir entre 25 e 50 aparelhos por dia. E esse número pode aumentar, a depender da demanda.

A USP também desenvolveu um “capacete-respirador” para auxiliar no combate à COVID-19. Clique aqui e saiba mais sobre ele.


  • Andre Batista / Imagem: Poli-USP 


reportar erro