Rede aleluia
Maná: o sustento de Deus para os que são fiéis a Ele
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 18 de outubro de 2020 - 00:05


Maná: o sustento de Deus para os que são fiéis a Ele

Veja como foi o Domingo do Maná no Templo de Salomão (SP) e entenda o significado deste propósito

Maná: o sustento de Deus para os que são fiéis a Ele

No dia 4 de outubro, aconteceu em todos os templos da Universal o Domingo do Maná. No Templo de Salomão, em São Paulo, a reunião foi conduzida pelo Bispo Renato Cardoso. Na ocasião, as pessoas levaram um pedaço de pão, representando o maná, para
ser consagrado.

Maná: o sustento de Deus para os que são fiéis a Ele

A celebração foi no alimento que sustentou o povo hebreu no passado. A Bíblia diz que para que se livrassem do do jugo egípcio, os hebreus caminharam por 40 anos no deserto para chegar à Terra Prometida. E que, apesar de estar em um lugar de seca, eles não passaram fome, pois Deus lhes sustentou com o maná, como está escrito em Êxodo 16.14: “Então disse o Senhor a Moisés: Eis que vos farei chover pão dos céus, e o povo sairá, e colherá diariamente a porção para cada dia, para que eu o prove se anda em minha lei ou não.”

Deus esperava de Seu povo a obediência e a confiança em Sua Palavra para que Ele os sustentasse. Dessa forma, não houve um dia sequer, durante aquelas quatro décadas, que o Altíssimo não supriu as necessidades daquele povo de alguma forma.

E, mesmo depois de ter passado muito tempo desse fato bíblico, Deus continua provando que tem sustentado os Seus Filhos em todos os seus desertos, em todas as situações difíceis. Mas, para que isso se concretize, é preciso se alimentar do Pão da Vida e se entregar ao
Senhor Jesus.

Durante a reunião, o Bispo Renato falou deste assunto: “esse pão representa o maná, o pão que vem do Céu, que era o símbolo de Jesus, pois Ele disse que Ele era o Pão que veio do Céu. O maná representa Jesus e também representava a obediência do povo hebreu a Deus. Foi o cuidado dEle com todos no meio do deserto por 40 anos.”

Maná: o sustento de Deus para os que são fiéis a Ele

O Bispo explicou como a fidelidade a Deus é demonstrada por aqueles que fazem uma Aliança com Ele: “o dízimo não é nosso, mas pertence a Deus. Por isso a Palavra dEle fala: ‘Roubará o homem a Deus?’ Você só pode roubar aquilo que não é seu, então se você reter o seu dízimo, você estará roubando a Deus. Se eu for fiel a Ele hoje, amanhã Ele será fiel a mim. Esse é o conceito do dízimo, que vai muito além de um valor monetário separado, mas precisa ser acompanhado de reverência, dependência e gratidão a Deus por tudo o que se conquista e se é”, completou.

Primícia espiritual
Depois da explicação do propósito e da oração para consagrar o pão, o Bispo Renato também citou as principais razões pelas quais muitas pessoas não recebem o Espírito Santo.

Primeiramente, ele mencionou que muitos ainda não tiveram seu Encontro com Deus porque colocam os problemas e as situações externas em primeiro lugar em suas vidas. “Você tem que deixar o Espírito Santo estar em primeiro lugar. Ele só vai vir até você quando você der o lugar que pertence a Ele, que é o primeiro.”

O Bispo também afirmou que muitos ainda não decidiram ter Deus como o guia de suas vidas e não se batizaram nas águas. Por isso, não deram chance para que o Espírito Santo aja. “O batismo nas águas significa mudança de comportamento e reconhecimento dos seus pecados, ou seja, reconhecer que pelas suas próprias forças não pode ser salvo”, acrescentou.

Ele também expôs que para receber o Espírito Santo é preciso que haja uma entrega total a Deus. “Para Ele não tem 99,9999%. Esta é a principal razão para que muitos não recebam o Espírito Santo. Eles se entregam parcialmente, entregam as coisas fáceis, que não têm muito valor na sua vida, mas não entregam tudo. Não entregam o pecado, não entregam a mentira, um vício, uma vaidade, o orgulho, a mágoa, etc.”

Há ainda muitas pessoas que vivem na religiosidade e por isso não podem experimentar a real vontade de Deus em suas vidas. Elas também não conseguem receber o Espírito Santo porque o batismo dEle não envolve emoção, mas a Fé genuína em Deus. “Crer no sentido bíblico não é acreditar simplesmente. É colocar a vida nEle. Ou seja, se houver entrega 100%, se houver crença que o levou a se entregar, então o Espírito Santo é seu por direito”, concluiu o Bispo Renato Cardoso.

* Colaborou: Rafaela Dias


Maná: o sustento de Deus para os que são fiéis a Ele
  • Camila Teodoro / Fotos: Demetrio Koch 


reportar erro