Rede aleluia
Mais racismo no futebol. Agressores não enxergam o problema
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 21 de Fevereiro de 2020 - 14:25


Mais racismo no futebol. Agressores não enxergam o problema

Presidente de time que atacou jogador, sequer admite as ofensas da torcida. Entenda o caso

Mais racismo no futebol. Agressores não enxergam o problema

“Não percebi insultos racistas, percebi uma atitude provocadora de um futebolista”. Essa foi a afirmação realizada pelo presidente do time de futebol Vitória de Guimarães, Miguel Lisboa. Isso após torcedores de sua equipe utilizarem xingamentos racistas para retirar do jogo o atacante adversário Moussa Marega.

Conforme dezenas de vídeos publicados nas redes sociais mostram, Marega foi ofendido desde que o time do Porto subiu para o aquecimento antes do jogo. Durante toda a partida, ele foi insultado. Já no segundo tempo, quando marcou um gol, o racismo se tornou insuportável. Marega reclamou para o árbitro e foi advertido com cartão amarelo. Revoltado, abandonou o campo. Sozinho e sem o apoio, sequer, de seus companheiros de time, que tentaram fazê-lo relevar a situação.

O caso aconteceu no domingo (16) e durante toda a semana gerou manifestações de times do mundo inteiro. Todos apoiando o atacante. Até mesmo o presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, se manifestou:

“O povo português sabe, até por experiência histórica, que o caminho do racismo, da xenofobia e da discriminação, além de representar a violação da dignidade da pessoa humana e dos seus direitos fundamentais, é um caminho dramático em termos de cultura, civilização e de paz social […] Condenar, como sempre, veementemente, todas as manifestações racistas, quaisquer que sejam”.

O único envolvido que segue negando a situação registrada em vídeo é quem deveria ter se desculpado imediatamente: Miguel Lisboa.

“Houve comportamento provocatório de profissionais de futebol que pretenderam incendiar o espetáculo”, afirmou ele. Para o dirigente, Marega tem histórico de manter “comportamentos inadequados”.

O tempo perdido com o tolo

A Bíblia orienta: “Não fales ao ouvido do tolo, porque desprezará a sabedoria das tuas palavras.” Provérbios 23:9

O Bispo Renato Cardoso utiliza essa passagem para se referir a racistas:

“Há pessoas que simplesmente não reagem a um argumento inteligente. Por alguma razão, é como se a sua massa encefálica tivesse virado gelatina. Não funciona. É o caso de pessoas preconceituosas, por exemplo”.

De acordo com o Bispo, “preconceito, por definição, não é resultado de inteligência. Uma pessoa que considera outra inferior simplesmente pela cor da pele, nacionalidade, religião ou outra característica, não está usando a inteligência. E se ela não se tornou preconceituosa por razões inteligentes, tampouco deixará de ser por elas”.

Esse, provavelmente, é o motivo pelo qual Miguel Lisboa não vê o ato de seus torcedores como ofensivos. Da mesma maneira, milhões de pessoas no mundo inteiro seguem cometendo racismo sem assumirem a agressividade de seus atos.

Expressões como “cor de pele”, “denegrir” e “criado mudo” permanecem no vocabulário de muita gente, que não vê maldade em utilizá-las. Assim como não acham errado “piadas” racistas.

Infelizmente, com muitas dessas pessoas, não vale a pena manter um diálogo. Elas não querem aprender sobre racismo nem eliminar seus preconceitos. Por isso, o Bispo orienta:

“Às vezes, você tem que apenas deixar que a tolice do tolo acabe lhe ensinando a lição que você, arduamente, tentou, mas não conseguiu lhe ensinar. Enquanto isso, fale a quem quer ouvir. Ensine quem quer aprender.”

Para ler o artigo completo do Bispo Renato Cardoso sobre o tema, clique aqui.


Mais racismo no futebol. Agressores não enxergam o problema
  • Andre Batista / Imagem: Reprodução Facebook @moussamarega21 


reportar erro