Rede aleluia
Mais de 3 mil graduados no Curso Autoconhecimento na África do Sul
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 27 de novembro de 2019 - 12:22


Mais de 3 mil graduados no Curso Autoconhecimento na África do Sul

Aulas do projeto Raabe no país já beneficiaram mais de 7 mil pessoas, entre homens e mulheres. Saiba mais

Mais de 3 mil graduados no Curso Autoconhecimento na África do Sul

O Curso Autoconhecimento promovido pelo projeto Raabe, em todo o Brasil e em vários países do mundo, foi elaborado especialmente para as mulheres se conhecerem melhor. Na África do Sul, o objetivo não é diferente. E, durante 9 semanas, todas as terças-feiras, elas se reuniram para debater temas que as levassem a uma reflexão sobre si.

Segundo Márcia Pires, responsável pelo projeto Raabe no país, mais de 7 mil pessoas já se beneficiaram com as aulas desde 2017. Em novembro último, 3.365 foram graduadas em todo o país. Durante os encontros, elas aprendem a usar as ferramentas necessárias para vencer traumas do passado, abusos e medos que muitas delas trazem dentro de si.

Recém-formada, Thandokazi Princess Marawule, de 35 anos, participou dedicadamente de cada aula do Curso Autoconhecimento. Ela, que sofreu um relacionamento abusivo e chegou até mesmo a se mudar de cidade com o seu filho (para fugir da violência doméstica), fez questão de relatar a sua transformação de vida.

“Eu era noiva de um homem extremamente abusivo. O abuso era físico e emocional. Fui para outra cidade com meu filho. Mas, não foi fácil. Pois, mesmo não estando com ele fisicamente, a dor continuava dentro de mim. O ódio que eu nutria, me culpava por tudo que tinha acontecido na minha vida. Havia decidido não mais perdoá-lo”, declarou.

E continuou: “Na primeira semana do curso, procurei uma das voluntárias. Fui ouvida e ouvi sobre perdão. Entendi que para que pudesse me tornar livre, eu deveria reconhecer minha situação e perdoar. Hoje, sou livre interiormente, feliz e capaz de ajudar outras mulheres. Uma amiga do trabalho, que também havia passado por traumas, ao me acompanhar semanalmente nas aulas, foi capaz de perdoar e sua família foi reconciliada.”

Homens também são bem-vindos

Embora o curso seja voltado para as mulheres, muitos homens mostraram interesse e participaram dessa edição. Alguns deles também carregavam traumas do passado, mas queriam melhorar como pessoa. Foi o caso de Nelson Guambe, de 38 anos. Ele enfrentava muita dificuldade para deixar as coisas do passado, principalmente no que se referia à vida amorosa.

“Ao ouvir que homens também eram bem-vindos no curso, realmente, fiquei motivado e aproveitei a oportunidade. Eu tinha muita dificuldade de deixar as coisas do passado para trás. Isso afetava, principalmente, a vida amorosa. Com as aulas, aprendi como seguir em frente. Apliquei as lições que aprendi e sou grato pela transformação que aconteceu dentro de mim. Hoje, sou feliz e o passado não me ofende mais. Estou focado no meu futuro”, afirmou.

Muitos deles se dedicaram fielmente, comparecendo em todas as aulas. Assim, puderam testemunhar a diferença na vida deles e o impacto também causado na família. O senhor Simphiwe Stinise, de 49 anos, relatou que no instante que ouviu falar sobre o curso não se interessou muito, mas logo mudou de opinião.

“Ao acompanhar minha esposa, fiquei impressionado com a mensagem das aulas e como o passado pode nos afetar. Aprendi a como olhar para dentro de mim e isso me ajudou como marido e como homem. Pois, ao descobrir minhas debilidades, eu pude mudar. Hoje, o nosso casamento anda de acordo os caminhos de Deus”, comentou.

A esposa dele, Queen Stinise, de 48 anos, também falou sobre a importância do curso Autoconhecimento na vida dela.

“Reconheço que, antes, eu era uma pessoa orgulhosa, egoísta e medrosa. Tinha receio de ser julgada. Nem com meu marido eu conseguia me abrir. Mas, durante o curso, aprendi que devo esquecer o que os outros pensam de mim e me concentrar na minha pessoa. Ao fazer isso, com a ajuda de Deus, venci. Fui capaz de expressar para meu marido coisas que estavam me afetando. E, isso fez muito bem para o nosso casamento. Agora não guardo as coisas para mim, compartilho. E, quando preciso, sou capaz de pedir ajuda”, disse.

Inclusão

Em Joanesburgo, a maior cidade da África do Sul, a língua de sinais foi inserida durante as aulas para pessoas surdas, como a aluna Tina. Assista ao vídeo abaixo com o testemunho dela sobre como foi a sua experiência no curso e os resultados alcançados.

Curso Autoconhecimento

As inscrições para o próximo Curso Autoconhecimento no Brasil estão abertas. As aulas são totalmente gratuitas.

Em São Paulo, você pode realizar sua inscrição às quintas-feiras, a partir das 18h30 no hall de Atendimento do Templo de Salomão. Ou no primeiro dia de aula que tem início, em 3 de dezembro, terça-feira, às 19h.

Para demais localidades, clique aqui. Você pode também assistir às aulas online, pois, já estão disponíveis no Univer Vídeo as 10 palestras do curso.

Confira abaixo galeria com mais fotos:

Mais de 3 mil graduados no Curso Autoconhecimento na África do Sul
  • Michele Roza / Fotos: Cedidas 


reportar erro