Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 21 de outubro de 2018 - 00:05


Maconha prejudica cérebro de adolescentes mais do que o álcool

Afirmação é de pesquisadores canadenses. Saiba mais

Um estudo encabeçado por pesquisadores da Universidade de Montreal, no Canadá, afirma que a maconha é mais prejudicial para adolescentes do que o álcool. De acordo com eles, os danos causados pela droga são duradouros em cérebros ainda em desenvolvimento e que o impacto nas habilidades de raciocínio, memória e comportamento é pior do que o causado pela bebida. Seu uso também pode aumentar o risco de desenvolver doenças psicóticas.
A pesquisa acompanhou e testou 3.800 adolescentes por quatro anos, constatando que problemas em suas habilidades cognitivas, como aprendizado, atenção, tomada de decisões e desempenho acadêmico aumentaram à medida que eles consumiam mais cannabis. “Seus cérebros ainda estão se desenvolvendo e a maconha interfere nisso”, disse a professora do departamento de psiquiatria, Patricia Conrod.
Diversão?
O uso da maconha é visto por muitos jovens como uma “simples e inofensiva diversão”, fazem até parte de movimentos pela sua liberação, mas seus efeitos negativos são nítidos na saúde dos usuários, sociedade e família.
Israel é a prova desses malefícios: por dois anos foi viciado no entorpecente o que abalou o seu relacionamento com a mãe e trouxe perdas financeiras. Mas ao chegar ao Tratamento para Cura dos Vícios, realizado semanalmente na Universal, o jovem encontrou a libertação do problema.
Assista no vídeo abaixo a sua história na íntegra:

O Tratamento acontece todos os domingos, às 15h e 18h, na Avenida João Dias, 1800, em Santo Amaro, zona sul de São Paulo. Para saber os endereços em outros estados clique aqui.


  • Rafaella Rizzo / Foto: iStock 


reportar erro