Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 7 de agosto de 2019 - 14:04


Leia a Bíblia em 1 ano – 126º dia

Números 14, Salmos 50, Isaías 3 e 4

“O meu povo está sendo destruído, porque lhe falta o conhecimento…” Oséias 4.6

Conhecer a Bíblia é muito importante para todos nós, especialmente nos momentos mais difíceis de nossas vidas, pois Deus fala conosco por meio de Sua Palavra. O Espírito Santo nos conduz, nos orienta, e quando passamos por tribulações, Ele nos faz lembrar do que está escrito na Bíblia, de uma Palavra de Deus que nos conforte. Mas só nos lembraremos se tivermos conhecimento Dela.

Por isso, elaboramos um plano para que você leia a Bíblia em 1 ano. Se você ainda não começou, clique aqui e comece agora, não deixe para amanhã. Você verá o quanto isso transformará a sua vida.

Se você já está nesse propósito, acompanhe a leitura de hoje:

Números 14

  1. Então voz; e o povo chorou naquela noite.
  2. E todos os filhos de Israel murmuraram contra Moisés e contra Arão; e toda a congregação lhes disse: Quem dera tivéssemos morrido na terra do Egito! ou, mesmo neste deserto!
  3. E por que o Senhor nos traz a esta terra, para cairmos à espada, e para que nossas mulheres e nossas crianças sejam por presa? Não nos seria melhor voltarmos ao Egito?
  4. E diziam uns aos outros: Constituamos um líder, e voltemos ao Egito.
  5. Então Moisés e Arão caíram sobre os seus rostos perante toda a congregação dos filhos de Israel.
  6. E Josué, filho de Num, e Calebe filho de Jefoné, dos que espiaram a terra, rasgaram as suas vestes.
  7. E falaram a toda a congregação dos filhos de Israel, dizendo: A terra pela qual passamos a espiar é terra muito boa.
  8. Se o Senhor se agradar de nós, então nos porá nesta terra, e no-la dará; terra que mana leite e mel.
  9. Tão-somente não sejais rebeldes contra o Senhor, e não temais o povo dessa terra, porquanto são eles nosso pão; retirou-se deles o seu amparo, e o Senhor é conosco; não os temais.
  1. Mas toda a congregação disse que os apedrejassem; porém a glória do Senhor apareceu na tenda da congregação a todos os filhos de Israel.
  2. E disse o Senhor a Moisés: Até quando me provocará este povo? e até quando não crerá em mim, apesar de todos os sinais que fiz no meio dele?
  3. Com pestilência o ferirei, e o rejeitarei; e te farei a ti povo maior e mais forte do que este.
  4. E disse Moisés ao Senhor: Assim os egípcios o ouvirão; porquanto com a tua força fizeste subir este povo do meio deles.
  5. E dirão aos moradores desta terra, os quais ouviram que tu, ó Senhor, estás no meio deste povo, que face a face, ó Senhor, lhes apareces, que tua nuvem está sobre ele e que vais adiante dele numa coluna de nuvem de dia, e numa coluna de fogo de noite.
  6. E se matares este povo como a um só homem, então as nações, que antes ouviram a tua fama, falarão, dizendo:
  7. Porquanto o Senhor não podia pôr este povo na terra que lhe tinha jurado; por isso os matou no deserto.
  8. Agora, pois, rogo-te que a força do meu Senhor se engrandeça; como tens falado, dizendo:
  9. O Senhor é longânimo, e grande em misericórdia, que perdoa a iniqüidade e a transgressão, que o culpado não tem por inocente, e visita a iniqüidade dos pais sobre os filhos até a terceira e quarta geração.
  10. Perdoa, pois, a iniqüidade deste povo, segundo a grandeza da tua misericórdia; e como também perdoaste a este povo desde a terra do Egito até aqui.
  11. E disse o Senhor: Conforme à tua palavra lhe perdoei.
  12. Porém, tão certamente como eu vivo, e como a glória do Senhor encherá toda a terra,
  13. E que todos os homens que viram a minha glória e os meus sinais, que fiz no Egito e no deserto, e me tentaram estas dez vezes, e não obedeceram à minha voz,
  14. Não verão a terra de que a seus pais jurei, e nenhum daqueles que me provocaram a verá.
  15. Porém o meu servo Calebe, porquanto nele houve outro espírito, e perseverou em seguir-me, eu o levarei à terra em que entrou, e a sua descendência a possuirá em herança.
  16. Ora, os amalequitas e os cananeus habitam no vale; tornai-vos amanhã e caminhai para o deserto pelo caminho do Mar Vermelho.
  17. Depois falou o Senhor a Moisés e a Arão dizendo:
  18. Até quando sofrerei esta má congregação, que murmura contra mim? Tenho ouvido as murmurações dos filhos de Israel, com que murmuram contra mim.
  19. Dize-lhes: Vivo eu, diz o Senhor, que, como falastes aos meus ouvidos, assim farei a vós outros.
  20. Neste deserto cairão os vossos cadáveres, como também todos os que de vós foram contados segundo toda a vossa conta, de vinte anos para cima, os que dentre vós contra mim murmurastes;
  21. Não entrareis na terra, pela qual levantei a minha mão que vos faria habitar nela, salvo Calebe, filho de Jefoné, e Josué, filho de Num.
  22. Mas os vossos filhos, de que dizeis: Por presa serão, porei nela; e eles conhecerão a terra que vós desprezastes.
  23. P or é m, quanto a vós, os vossos cadáveres cairão neste deserto.
  24. E vossos filhos pastorearão neste deserto quarenta anos, e levarão sobre si as vossas infidelidades, até que os vossos cadáveres se consumam neste deserto.
  25. Segundo o número dos dias em que espiastes esta terra, quarenta dias, cada dia representando um ano, levareis sobre vós as vossas iniquidades quarenta anos, e conhecereis o meu afastamento.
  26. Eu, o Senhor, falei; assim farei a toda esta má congregação, que se levantou contra mim; neste deserto se consumirão, e aí falecerão.
  27. E os homens que Moisés mandara a espiar a terra, e que, voltando, fizeram murmurar toda a congregação contra ele, infamando a terra,
  28. Aqueles mesmos homens que infamaram a terra, morreram de praga perante o Senhor.
  29. Mas Josué, filho de Num, e Calebe, filho de Jefoné, que eram dos homens que foram espiar a terra, ficaram com vida.
  1. E falou Moisés estas palavras a todos os filhos de Israel; então o povo se contristou muito.
  2. E levantaram-se pela manhã de madrugada, e subiram ao cume do monte, dizendo: Eis-nos aqui, e subiremos ao lugar que o Senhor tem falado; porquanto havemos pecado.
  3. Mas Moisés disse: Por que transgredis o mandado do Senhor? Pois isso não prosperará.
  4. Não subais, pois o Senhor não estará no meio de vós, para que não sejais feridos diante dos vossos inimigos.
  5. Porque os amalequitas e os cananeus estão ali diante da vossa face, e caireis à espada; pois, porquanto vos desviastes d o Senhor, o Senhor não estará convosco.
  6. Contudo, temerariamente, tentaram subir ao cume do monte; mas a arca da aliança do Senhor e Moisés não se apartaram do meio do arraial.
  7. Então desceram os amalequitas e os cananeus, que habitavam na montanha, e os feriram, derrotando-os até Hormá.

 

Salmos 50

  1. O Deus poderoso, o Senhor, falou e chamou a terra desde o nascimento do sol até ao seu ocaso.
  2. Desde Sião, a perfeição da formosura, resplandeceu Deus.
  3. Virá o nosso Deus, e não se calará; um fogo se irá consumindo diante dele, e haverá grande tormenta ao redor dele.
  4. Chamará os céus lá do alto, e a terra, para julgar o seu povo.
  5. Ajuntai-me os meus santos, aqueles que fizeram comigo uma aliança com sacrifícios.
  6. E os céus anunciarão a sua justiça; pois Deus mesmo é o Juiz. (Selá.)
  7. Ouve, povo meu, e eu falarei; ó Israel, e eu protestarei contra ti: Sou Deus, sou o teu Deus.
  8. Não te repreenderei pelos teus sacrifícios, ou holocaustos, que estão continuamente perante mim.
  9. Da tua casa não tirarei bezerro, nem bodes dos teus currais.
  10. Porque meu é todo animal da selva, e o gado sobre milhares de montanhas.
  11. Conheço todas as aves dos montes; e minhas são todas as feras do campo.
  12. Se eu tivesse fome, não to diria, pois meu é o mundo e toda a sua plenitude.
  13. Comerei eu carne de touros? Ou beberei sangue de bodes?
  14. Oferece a Deus sacrifício de louvor, e paga ao Altíssimo os teus votos.
  15. E invoca-me no dia da angústia; eu te livrarei, e tu me glorificarás.
  16. Mas ao ímpio diz Deus: Que fazes tu em recitar os meus estatutos, e em tomar a minha aliança na tua boca?
  17. Visto que odeias a correção, e lanças as minhas palavras para detrás de ti.
  18. Quando vês o ladrão, consentes com ele, e tens a tua parte com adúlteros.
  19. Soltas a tua boca para o mal, e a tua língua compõe o engano.
  20. Assentas-te a falar contra teu irmão; falas mal contra o filho de tua mãe.
  21. Estas coisas tens feito, e eu me calei; pensavas que era tal como tu, mas eu te argüirei, e as porei por ordem diante dos teus olhos:
  22. Ouvi pois isto, vós que vos esqueceis de Deus; para que eu vos não faça em pedaços, sem haver quem vos livre.
  23. Aquele que oferece o sacrifício de louvor me glorificará; e àquele que bem ordena o seu caminho eu mostrarei a salvação de Deus.

 

Isaías 3

  1. Porque, eis que o Senhor, o Senhor dos Exércitos, tirará de Jerusalém e de

Judá o sustento e o apoio; a todo o sustento de pão e a todo o sustento de água;

  1. O poderoso, e o homem de guerra, o juiz, e o profeta, e o adivinho, e o ancião,
  2. O capitão de cinqüenta, e o homem respeitável, e o conselheiro, e o sábio entre os artífices, e o eloqüente orador.
  3. E dar-lhes-ei meninos por príncipes, e crianças governarão sobre eles.
  4. E o povo será oprimido; um será contra o outro, e cada um contra o seu próximo; o menino se atreverá contra o ancião, e o vil contra o nobre.
  5. Quando alguém pegar de seu irmão na casa de seu pai, dizendo: Tu tens roupa, sê nosso governador, e toma sob a tua mão esta ruína;
  6. Naquele dia levantará este a sua voz, dizendo: Não posso ser médico, nem tampouco em minha casa pão, ou roupa alguma; não me haveis de constituir governador sobre o povo.
  7. Porque Jerusalém está arruinada, e Judá caída; porque a sua língua e as suas o b r a s são contra o Senhor, para provocarem os olhos da sua glória.
  8. O aspecto do seu rosto testifica contra eles; e publicam os seus pecados, como Sodoma; não os dissimulam. Ai da sua alma! Porque fazem mal a si mesmos.
  9. Dizei ao justo que bem lhe irá; porque comerão do fruto das suas obras.
  10. Ai do ímpio! Mal lhe irá; porque se lhe fará o que as suas mãos fizeram.
  11. Os opressores do meu povo são crianças, e mulheres dominam sobre ele; ah, povo meu! Os que te guiam te enganam, e destroem o caminho das tuas veredas.
  12. O Senhor se levanta para pleitear, e põe-se de pé para julgar os povos.
  13. O Senhor entrará em juízo contra os anciãos do seu povo, e contra os seus príncipes; é que fostes vós que consumistes esta vinha; o espólio do pobre está em vossas casas.
  14. Que tendes vós, que esmagais o meu povo e moeis as faces dos pobres? Diz o Senhor Deus dos Exércitos.
  15. Diz ainda mais o Senhor: Porquanto as filhas de Sião se exaltam, e andam com o pescoço erguido, lançando olhares impudentes; e quando andam, caminham afetadamente, fazendo um tilintar com os seus pés;
  16. Portanto o Senhor fará tinhoso o alto da cabeça das filhas de Sião, e o Senhor porá a descoberto a sua nudez,
  17. Naquele dia tirará o Senhor os ornamentos dos pés, e as toucas, e adornos em forma de lua,
  18. Os pendentes, e os braceletes, as estolas,
  19. Os gorros, e os ornamentos das pernas, e os cintos e as caixinhas de perfumes, e os brincos,
  20. Os anéis, e as jóias do nariz,
  21. Os vestidos de festa, e os mantos, e os xales, e as bolsas.
  22. Os espelhos, e o linho finíssimo, e os turbantes, e os véus.
  23. E será que em lugar de perfume haverá mau cheiro; e por cinto uma corda; e em lugar de encrespadura de cabelos, calvície; e em lugar de veste luxuosa, pano de saco; e queimadura em lugar de formosura.
  24. Teus homens cairão à espada e teus poderosos na peleja.
  25. E as suas portas gemerão e prantearão; e ela, desolada, se assentará no chão.

 

Isaías 4

  1. E sete mulheres naquele dia lançarão mão de um homem, dizendo: Nós comeremos do nosso pão, e nos vestiremos do que é nosso; tão-somente queremos ser chamadas pelo teu nome; tira o nosso opróbrio.
  2. Naquele dia o renovo do Senhor será cheio de beleza e de glória; e o fruto da terra excelente e formoso para os que escaparem de Israel.
  3. E será que aquele que for deixado em Sião, e ficar em Jerusalém, será chamado santo; todo aquele que estiver inscrito entre os viventes em Jerusalém;
  4. Quando o Senhor lavar a imundícia das filhas de Sião, e limpar o sangue de Jerusalém, do meio dela, com o espírito de justiça, e com o espírito de ardor.
  5. E criará o Senhor sobre todo o lugar do monte de Sião, e sobre as suas assembléias, uma nuvem de dia e uma fumaça, e um resplendor de fogo flamejante de noite; porque sobre toda a glória haverá proteção.
  6. E haverá um tabernáculo para sombra contra o calor do dia; e para refúgio e esconderijo contra a tempestade e a chuva.

 

Se você ainda não começou, clique aqui e comece agora, não deixe para amanhã.

 


  • Redação / Foto: Thinkstock 


reportar erro