Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 30 de setembro de 2018 - 00:05


Lei Seca completou 10 anos, mas motoristas ainda bebem e dirigem

Em São Paulo, dirigir alcoolizado é o segundo motivo de morte nas vias

Em junho deste ano a Lei Seca completou dez anos de existência. É ela quem estabelece as regras no trânsito em relação ao uso de álcool e direção. Mesmo assim, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), no Brasil, o estado de São Paulo tem o maior número de óbitos no trânsito e dirigir alcoolizado é a segunda maior causa. Só nos quatro primeiros meses de 2018, apenas em rodovias federais, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) registrou mais de 300 mortes desse tipo.
Não é acidente
Por mais que seja pesado ler algo assim, não é correto chamar de acidente uma fatalidade resultado de uso de entorpecentes. As pessoas sabem o risco em que colocam suas vidas e a de outras pessoas ao usar e abusar de drogas lícitas ou ilícitas. Todos sabem do perigo de beber e dirigir ou entrar no mar, por exemplo.
Wellington viveu diversas situações como as citadas acima durante o tempo em que esteve viciado em álcool e drogas. Chegou a perder o movimento do braço direito depois de se envolver em um acidente de moto, quando estava a caminho para comprar cocaína. As perdas financeiras também eram constantes.
A situação só mudou quando a família conheceu o Tratamento para Cura dos Vícios. Assista ao seu relato no vídeo abaixo:

Quer saber como participar? O encontro é realizado todos os domingos, às 15h e 18h, na Avenida João Dias, 1800, em Santo Amaro, zona sul da capital paulista. Para ver outros endereços onde o tratamento acontece, clique aqui.


  • Rafaella Rizzo / Foto: iStock 


reportar erro