Rede aleluia
“Julgava que meu destino era ficar sozinha”
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 19 de Junho de 2022 - 00:05


“Julgava que meu destino era ficar sozinha”

“Julgava que meu destino era ficar sozinha”

A assessora parlamentar Edlaine Espindola de Oliveira, de 37 anos, relata que as dificuldades que enfrentou durante a infância e a adolescência tiveram impacto em sua vida amorosa durante muitos anos. Os problemas começaram quando ela tinha 8 anos: “eu desejava morrer. Eu pensava nisso diariamente. Conforme fui crescendo, os problemas espirituais só pioravam”, afirma. Edlaine também conta que via vultos, ouvia vozes e tinha muitos pesadelos.

Já adulta, ela explica que não acreditava no amor. “Até tentei me relacionar com algumas pessoas, todavia, eu me afundei ainda mais. Eu julgava que o motivo da minha tristeza era o fato de não ter uma pessoa na minha vida. No entanto hoje entendo que era um problema mais espiritual do que amoroso”, afirma.

Edlaine admite que, ao longo dos anos, pensou várias vezes em desistir da própria vida. “Eu pensava que ninguém me amava, então se eu morresse não faria diferença. Julgava que meu destino era ficar sozinha e que ninguém nunca gostaria de mim. Eu estava descrente pelas vozes que surgiam na minha cabeça”, diz.

Ela conheceu as reuniões da Terapia do Amor por meio dos canais de rádio da Universal. “Eu me lembro que quando comecei a ir às palestras da Terapia do Amor me sentia muito bem. Comecei a entender que meu problema era um mal espiritual. Eu saí da igreja com paz, que era algo que eu não tinha há muito tempo.”

Por meio da Terapia do Amor, Edlaine conheceu melhor o trabalho da Universal e passou a frequentar as reuniões de quarta-feira e domingo. “Eu comecei a buscar o Espírito Santo, eu tinha sede e resolvi ir à fonte.” Edlaine se libertou, se batizou nas águas e recebeu o Espírito Santo. Ela foi levantada a obreira e passou a se dedicar à Obra. Depois de alguns anos, Edlaine voltou a priorizar a vida amorosa. Ela conheceu o marido, o empresário Roberto Espindola, de 41 anos, em um grupo da Universal.

Roberto conta que também passou por algumas situações difíceis antes de encontrar a felicidade no amor. Ele foi casado durante 19 anos com uma mulher que o fez sofrer muito. “Minha
ex-esposa foi embora de casa quatro vezes. A cada quatro anos ela fazia a mesma coisa. Eu chegava do serviço e ela não estava mais lá. Até que um dia ela foi embora definitivamente. Fiquei com uma empresa, uma casa e dois filhos para cuidar”, diz. A Terapia do Amor foi a primeira reunião na Universal da qual ele participou. Decidido a não sofrer mais na vida amorosa, ele pegou firme nas palestras.

Edlaine e Roberto se tornaram amigos e, pouco tempo depois, ele teve a certeza de que Deus a havia escolhido para sua vida. Eles se casaram em 11 de setembro de 2021, na Universal de Jandira (SP).

“Quando surgem problemas, resolvemos de forma tranquila e com muita união. O amor inteligente existe e funciona. Sem o Espírito Santo, o casamento é fadado ao fracasso”, conclui Roberto.


“Julgava que meu destino era ficar sozinha”
  • Kaline Tascin / Fotos: Arquivo Pessoal 


reportar erro