Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 9 de setembro de 2018 - 00:05


José de Arimateia, um político justo

Em entrevista exclusiva à Folha Universal, o ator Giuseppe Oristanio fala de seu personagem na novela Jesus

A novela Jesus, da Record TV, além de narrar a trajetória do Messias no período em que Ele esteve na Terra, tem mostrado um pouco da vida das pessoas que conviveram e creram em Suas promessas. Um dos exemplos é José de Arimateia, um rico comerciante e senador, interpretado pelo ator Giuseppe Oristanio.

José de Arimateia era judeu. Seu sobrenome remetia à sua cidade de origem. O senador fazia parte do Sinédrio (assembleia de juízes judeus que constituía a corte e o legislativo supremos da antiga Israel). Sua posição lhe trazia credibilidade perante os nobres e os governadores da época, como no caso do romano Pôncio Pilatos (Nicola Siri), governador da Judeia. Pilatos era um homem que desprezava os judeus, mas respeitava José de Arimateia por saber da sua influência sobre o povo.
Também foi por essa razão que José de Arimateia teve autorização do governador para ter acesso ao corpo de Jesus, após a crucificação, e sepultá-lo em um túmulo de sua propriedade, como está relatado no livro de Mateus 27, do capítulo 57 ao 60.
Personagem
Em entrevista exclusiva à Folha Universal, o ator Giuseppe Oristanio (foto abaixo) contou que a história de José de Arimateia é bem conhecida, mas, apesar disso, há uma grande expectativa por parte do público. “Quase todos nós sabemos algo desse homem, pois ele realmente existiu, mas o que está gerando interesse é saber como sua trajetória será contada agora em uma novela”, argumenta.

Na trama, José de Arimateia convive com a dor de não saber o paradeiro da mulher Edissa (Dedina Bernardelli). Por causa de um problema de saúde, um sangramento crônico, ela se vê obrigada a se afastar dele e da filha Deborah (Manuela Llerena) para poupá-los da vergonha. O ator explica o motivo do distanciamento dela: “naquela época, esse tipo de problema era sinal de castigo divino. Então, a Edissa se afasta para não prejudicar a família. José de Arimateia sofre porque não tem certeza de que a esposa esteja viva e com a dura missão de criar a filha sozinho”.
Apesar disso, o comerciante não pode se deixar abater pelos problemas, já que possui um papel importante diante do povo. Ele é respeitado como senador e não tenta tirar vantagem da sua posição, afirma Giuseppe. “José de Arimateia era um comerciante rico e tinha voz ativa no Sinédrio. E não era só por ser político, mas por oferecer grandes quantias de dinheiro para o seu funcionamento. Contudo ele não se valia de sua posição para se beneficiar. Ao contrário, sempre que possível, alfinetava o sacerdote mau-caráter Caifás (papel do ator Eucir de Souza), que só pensa em ter poder e dinheiro a qualquer custo”.
Missão
O ator acredita que seu personagem tem uma missão. “José de Arimateia nos resgata um pouco de esperança. A política está sempre envolvida em tudo. José de Arimateia é rico, mas não é malandro. Quer ter dinheiro sim, mas o conquista com seu trabalho. A história conta que ele tinha o dom de ganhar dinheiro, mas também tinha boa índole.”
Por ser uma pessoa justa e que não se deixa influenciar pelas demais, José de Arimateia começa a reconhecer que Jesus é realmente o Filho de Deus, mesmo com tantas pessoas difamando o Messias. “Ele não faz julgamentos prévios. Sua curiosidade o leva a conhecer Jesus e, com o passar do tempo, ele começa a perceber que Ele é o enviado de Deus e o enxerga com outros olhos”, ressalta o ator.
Questionado sobre como compôs o personagem, Giuseppe destaca que “o elenco conta com a ajuda de um grande estudioso do assunto, o Bispo Miguel Perez, que está sempre pronto a nos orientar quanto à história. Além disso, quando comecei a fazer a novela, percebi que existe uma vasta literatura que aborda José de Arimateia. Li e estudei bastante”.

O ator finaliza dizendo que a intenção da trama é mostrar quem foi Jesus e o que Ele pode proporcionar às pessoas que se permitem conhecê-Lo. “Torcemos para que a novela auxilie as pessoas, em todos os cantos, a encontrarem mais amor e conhecerem quem é Jesus.”
O propósito de Deus
É possível notar, por meio das Escrituras Sagradas, como José de Arimateia foi influente e que ele estava cumprindo o propósito de Deus de recuperar o corpo de Jesus após a crucificação, como é relatado no livro de João, capítulo 19, do versículo 32 ao 36. “Foram, pois, os soldados, e, na verdade, quebraram as pernas ao primeiro, e ao outro que como ele fora crucificado; Mas, vindo a Jesus, e vendo-o já morto, não lhe quebraram as pernas. Contudo um dos soldados lhe furou o lado com uma lança, e logo saiu sangue e água. E aquele que o viu testificou, e o seu testemunho é verdadeiro; e sabe que é verdade o que diz, para que também vós o creiais. Porque isto aconteceu para que se cumprisse a Escritura, que diz: Nenhum dos seus ossos será quebrado”.
Graças ao cargo que ocupava, foi possível a José de Arimateia interceder junto a Pilatos pelo corpo do Messias. José de Arimateia mostra que a questão política foi importante na época de Jesus como é nos dias atuais.


  • Maiara Máximo/ Fotos: Blad Meneghel e Reprodução  


reportar erro