Rede aleluia
Jornalistas desejam a morte dos Presidentes Trump e Bolsonaro
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 11 de Janeiro de 2021 - 18:26


Jornalistas desejam a morte dos Presidentes Trump e Bolsonaro

Entenda os crimes cometidos e as possível consequências

Jornalistas desejam a morte dos Presidentes Trump e Bolsonaro

Induzir ou instigar alguém a suicidar-se ou a praticar automutilação ou prestar-lhe auxílio material para que o faça é crime. A pena é de reclusão de seis meses a dois anos, segundo o Artigo 122  da constituição brasileira. Caso o crime seja praticado pela internet, em redes sociais ou lives, a pena é dobrada.

Mesmo assim, o jornalista Ruy Castro, em sua coluna no jornal Folha de S. Paulo, afirmou que, caso o presidente Donald Trump tirasse a própria vida, tornar-se-ia “um herói, um mártir, um ícone eterno para seus seguidores idiotizados”.

É dispensável dizer que o suicídio não transforma qualquer pessoa em herói. Aliás, de acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), imaginar que se tornará um herói é o que faz com que muitas pessoas se matem, especialmente após cometerem genocídios.

Mas Castro foi além: após se referir ao suicídio de maneira torpe, ele orientou:

“Se Trump optar pelo suicídio, Bolsonaro deveria imitá-lo. Mas para que esperar pela derrota na eleição? Por que não fazer isso hoje, já, agora, neste momento? Para o bem do Brasil, nenhum minuto sem Bolsonaro será cedo demais”.

Instigador arrependido

O jornalista Ricardo Noblat, por sua vez, escolheu essas palavras para divulgar o artigo de Castro. Depois da repercussão negativa, apagou a mensagem e afirmou que não desejou a morte do presidente, apenas compartilhou o texto de seu colega.

“É triste ver que pessoas públicas, que se dizem tão inteligentes, estão fazendo uso do poder e influência que têm para disseminar ainda mais intolerância”, afirmou a colunista Ana Carolina Cury, no R7. “O problema aqui não tem a ver com a política, mas sim com a responsabilidade, sobretudo, jornalística, humana”.

Desrespeito a quem sofre

“Pelo menos 800 mil pessoas cometem suicídio anualmente, isso sem falar nas que tentam e não conseguem e nas milhares de famílias que têm suas vidas destroçadas por terem que conviver com esse tipo de luto”, ressaltou Cury.

Inclusive, janeiro é, desde 2014, o mês escolhido por médicos de inúmeros países para ressaltar a importância da saúde mental. O chamado “janeiro branco” funciona como o “outubro rosa”: um período de conscientização e incentivo ao acompanhamento médico para quem sofre com esse problema de saúde.

E foi esse o momento em que Castro e Noblat para instigarem o suicídio do Presidente da República. A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos Damares Alves repudiou esse ataque à vida:

 “Se a conta deste homem não for encerrada agora, imediatamente, vai ficar muito feio para o Twitter, pois veremos que existem dois pesos e duas medidas! Além do mais incitar o suicídio é crime!”.

Aliás, o Ministro da Justiça e da Segurança Pública André Mendonça afirmou que abrirá inquérito para investigar a responsabilidade criminal de Castro e Noblat:

“Alguns jornalistas chegaram ao fundo do poço. Hoje 2 deles instigaram dois Presidentes da República a suicidar-se. Apenas pessoas insensíveis com a dor das famílias de pessoas que tiraram a própria vida podem fazer isso. Apenas pessoas irresponsáveis cometem esse crime contra chefes de Estado de duas grandes nações. Fazê-lo é um desrespeito à pessoa humana, à nação e ao povo de ambos os países. Por isso, requisitarei a abertura de Inquérito Policial para apurar ambas as condutas. As penas de até 2 anos de prisão poderão ser duplicadas (§ 3º e 4º do art. 122 do Código Penal), sem prejuízo da incidência de outros crimes.”

Essa não é a primeira e, infelizmente, não é provável que seja a última manifestação de quem defende o “ódio do bem”. De fato, esse tipo de atitude violenta atinge inúmeras pessoas todos os dias. Clique aqui e entenda mais sobre o assunto.


Jornalistas desejam a morte dos Presidentes Trump e Bolsonaro
  • Andre Batista e Rafaella Rizzo / Imagens: Reprodução internet 


reportar erro